sexta-feira, 29 de abril de 2011

Por que David Wilkerson foi um profeta de Deus


Os títulos de apóstolo, profeta e mestre não são usuais e até soam mal, na atualidade. Mas isso não significa que os ministérios de apóstolo, profeta e mestre tenham se extinguido (1 Co 12.28; Ef 4.11). Tais dons ministeriais perdurarão até que todos cheguemos [...] à medida da estatura completa de Cristo” (Ef 4.13).

Partiu para a eternidade, nesta semana, um pregador que tinha verdadeiramente o ministério de profeta: David Wilkerson. Ele morreu, quando o seu carro se chocou com uma carreta, em uma estrada no Texas, Estados Unidos. 
Li todas as suas obras em português. Mas, na foto acima, estão as duas que mais me marcaram, ambas bastante desgastadas.

Toca a Trombeta em Sião
 (CPAD) eu ganhei de um irmão bastante idoso — que já deve estar com o Senhor —, em 1989. E ele já me deu a obra bem surrada e toda marcada. A obra David Wilkerson Exorta a Igreja ganhei em 1993 (ano que meu primeiro artigo foi publicado no Mensageiro da Paz) do pastor e amigo Eude Martins da Silva, à época diretor-executivo da Editora Vida.


Se você tem dúvidas quanto ao ministério profético de Wilkerson, veja o que ele escreveu em 1985, na primeira mencionada, traduzida em 1988 pelo mestre Antonio Gilberto, a respeito da Teologia da Prosperidade: “Ezequiel lutou sozinho contra todos os falsos profetas de Israel. Esses profetas não tinham qualquer mensagem de retidão, nem de julgamento inevitável do pecado. Eles só profetizavam a paz, conforto e prosperidade” (p.127).

Wilkerson falou condenou a Teologia da Prosperidade em uma época em que se falava quase nada sobre ela e verberou contra os seus proponentes: 
“Tais falsos profetas continuam em nosso meio! Eles usam as Sagradas Escrituras no campo das profecias; nas suas mensagens de prosperidade eles introduzem bastantes passagens bíblicas. Mas é falsa mensagem que eles pregam. Sua pregação não é a mensagem da cruz, nem a da santidade e da separação do mal” (idem, p.129).

Comparando esses 
“últimos dias” com dias de Ezequiel, também asseverou: “o pecado de Israel era tão grande que a ira de Deus estava a ponto de desencadear-se em forma de julgamento divino sobre a nação. O profeta Ezequiel não queria anunciar a terrível catástrofe que estava para cair sobre aquele povo, pelo fato de ele ter seus profetas prediletos que só anunciavam bonança e paz” (idem, p.133).

“Quem acordará e obedecerá ao chamado do Senhor, separando-se e purificando-se de todos os pecados que são praticados dentro das igrejas e fora, no mundo? Você pensa que, vivendo errado, mas pertencendo a uma igreja, escapará do juízo de Deus? Não caia no engano de Israel, pensando que o dia do julgamento está muito longe” (idem, p.145).


Na obra David Wilkerson Exorta a Igreja (Editora Vida), ele disse palavras que nos servem de consolo: “É melhor poder dizer: ‘Não importa o que está pela frente — não importa qual a provação ou aflição — Deus tem-se mostrado fiel. Da morte ele produziu vida. Nenhuma dessas aflições pode mudar-me agora. Ainda que ele me mate, nele esperarei’” (p.15).


Até breve, profeta David!


Ciro Sanches Zibordi

Pr. Silas Malafaia responde

DIREITO RESPOSTA - PR. SILAS MALAFAIA - Informamos que o pastor Silas Malafaia não esteve em Porto Seguro, tampouco andou de limousine, conforme publicou o site Jornal Bahia Online.

Recentemente divulgaram no Jornal Bahia Online, mais precisamente no endereço http://www.jornalbahiaonline.com.br/index.asp?noticia=12008, uma reportagem difamatória afirmando que o pastor Silas Malafaia teria participado do 12º Congresso de Resgate da Nação em Porto Seguro, na Bahia, evento este que aconteceu de 19 a 23 de abril de 2011. A tônica da referida matéria, intitulada Pastor anda de limousine em Porto durante evento que debate o resgate da Nação, era a celeuma provocada pelo luxo do “polêmico pastor Silas Malafaia”, que haveria percorrido as ruas da cidade e frequentado restaurantes à beira-mar, desde 18 de abril, em uma limusine especialmente alugada para ele.

Diante das deslavadas mentiras, esclarecemos: O pastor Silas Malafaia não estava presente em Porto Seguro no período informado na matéria, tampouco participou do 12º Congresso de Resgate da Nação realizado na cidade. No dia 19 de abril, ele ministrou na Assembleia de Deus Vitória em Cristo na Penha (RJ), igreja presidida por ele. Nos dias 20 e 21, o pastor Silas continuou no Rio de Janeiro, para atender aos seus compromissos. No dia 22, ele embarcou para o exterior, para cumprir agenda.

Após o exposto, solicitamos ao Jornal Bahia Online o Direito de Resposta. O pedido foi atendido. Publicaram a carta que enviamos nohttp://www.jornalbahiaonline.com.br/index.asp?noticia=12078.

Visto que o seu site também divulgou a matéria do Jornal Bahia Online, contamos com sua compreensão em publicar a resposta da assessoria de imprensa do pastor Silas Malafaia.

Obrigado!

comunicacao@editoracentralgospel.com


Nota do Blog: Não divulgamos a notícia aqui, este direito de resposta se dirige a outros veículos, mas fizemos questão de publicar aqui para dar visibilidade à notícia. Afinal, mentiram e espalharam e nem sempre a contestação é divulgada com o mesmo interesse.

quinta-feira, 28 de abril de 2011

RICARDO GONDIM DEFENDE A UNIÃO GAY E DIZ QUE NEM TODA RELAÇÃO HOMOSSEXUAL É PROMÍSCUA


Pr. Ricardo Gondim
Estava demorando, mas finalmente uma "celebridade" do mundo gospel brasileiro veio a público afirmar sua posição favorável à união civil de pessoas do mesmo sexo e ainda defender que "nem toda relação homossexual é promíscua". E tinha que ser o Gondim!!! Depois não quer que a igreja o chame de herege e fica todo ressentido em seus poemas e reflexões, e os que o admiram (como eu um dia admirei) entram em blogs, como o meu, para dizer que estamos vendo o mundo com as lentes da Igreja da Idade Média. Ora, Ricardo, melhor enxergar assim que ser cego! A "visão gondiniana" é reflexo da defesa das chamadas igrejas gays que dizem que toda forma de amor procede de Deus porque Deus é Amor. A declaração foi dada em entrevista à revista Carta Capital e o assunto foi abordado do final da entrevista, como pode ser visto no texto abaixo.  

Deus nos livre de um Brasil evangélico?’ Quem afirma é um pastor, o cearense Ricardo Gondim. Segundo ele, o movimento neopentecostal se expande com um projeto de poder e imposição de valores, mas em seu crescimento estão as raízes da própria decadência.


Os evangélicos, diz Gondim, absorvem cada vez mais elementos do perfil religioso típico dos brasileiros, embora tendam a recrudescer em questões como o aborto e os direitos homossexuais.

Aos 57 anos, pastor há 34, Gondim é líder da Igreja Betesda e mestre em teologia pela Universidade Metodista. E tornou-se um dos mais populares críticos do mainstream evangélico, o que o transformou em alvo. “Sou o herege da vez”, diz na entrevista a seguir.


Os evangélicos tiveram papel importante nas últimas eleições. O Brasil está se tornando um país mais influenciável pelo discurso desse movimento?
RG: Sim, mesmo porque, é notório o crescimento no número de evangélicos. Mas é importante fazer uma ponderação qualitativa. Quanto mais cresce, mais o movimento evangélico também se deixa influenciar. O rigor doutrinário e os valores típicos dos pequenos grupos de dispersam, e os evangélicos ficam mais próximos do perfil religioso típico do brasileiro.


Como o senhor define esse perfil?
RG: Extremamente eclético e ecumênico. Pela primeira vez, temos evangélicos que pertencem também a comunidades católicas ou espíritas. Já se fala em um “evangelicalismo popular”, nos modelos do catolicismo popular, e em evangélicos não praticantes, o que não existia até pouco tempo atrás. O movimento cresce, mas perde força. E por isso tem de eleger alguns temas que lhe assegurem uma identidade. Nos Estados Unidos, a igreja se apega a três assuntos: aborto, homossexualidade e a influência islâmica no mundo. No Brasil, não é diferente. Existe um conservadorismo extremo nessas áreas, mas um relaxamento em outras. Há aberrações éticas enormes.


O senhor escreveu um artigo intitulado “Deus nos Livre de um Brasil Evangélico”. Por que um pastor evangélico afirma isso?
Porque esse projeto impõe não só a espiritualidade, mas toda a cultura, estética e cosmovisão do mundo evangélico, o que não é de nenhum modo desejável. Seria a talebanização do Brasil. Precisamos da diversidade cultural e religiosa. O movimento evangélico se expande com a proposta de ser a maioria, para poder cada vez mais definir o rumo das eleições e, quem sabe, escolher o presidente da República. Isso fica muito claro no projeto da igreja Universal. O objetivo de ter o pastor no Congresso, nas instâncias de poder, pode facilitara expansão da igreja. E, nesse sentido, o movimento é maquiavélico. Se é para salvar o Brasil da perdição, os fins justificam os meios.


O movimento americano é a grande inspiração para os evangélicos no Brasil?
O movimento brasileiro é filho direto do fundamentalismo norte-americano. Os Estados Unidos exportam seu american way of life de várias maneiras, e a igreja evangélica é uma das principais. As lideranças daqui Ieem basicamente os autores norte-americanos e neles buscam toda a sua espiritualidade, teologia e normatização comportamental. A igreja americana é pragmática, gerencial, o que é muito próprio daquela cultura. Funciona como uma agência prestadora de serviços religiosos. de cura, libertação, prosperidade financeira. Em um país como o Brasil, onde quase todos nascem católicos, a igreja evangélica precisa ser extremamente ágil, pragmática e oferecer resultados para se impor. É uma lógica individualista e antiética. Um ensino muito comum nas igrejas é de que Deus abre portas de emprego para os fiéis.
Eu ensino minha comunidade a se desvincular dessa linguagem. Nós nos revoltamos quando ouvimos que algum político abriu uma porta para o apadrinhado. Por que seria diferente com Deus?


O senhor afirma que a igreja evangélica brasileira está em decadência, mas o movimento continua a crescer.
Uma igreja que, para se sustentar, precisa de campanhas cada vez mais mirabolantes, um discurso cada vez mais histriônico e promessas cada vez mais absurdas está em decadência. Se para ter a sua adesão eu preciso apelar a valores cada vez mais primitivos e sensoriais e produzir o medo do mundo mágico, transcendental, então a minha mensagem está fragilizada.


Pode-se dizer o mesmo do movimento norte-americano?
Muitos dizem que sim, apesar dos números. Há um entusiasmo crescente dos mesmos, mas uma rejeição cada vez maior dos que estão de fora. Hoje, nos Estados Unidos, uma pessoa que não tenha sido criada no meio e que tenha um mínimo de senso crítico nunca vai se aproximar dessa igreja, associada ao Bush, à intolerância em todos os sentidos, ao Tea Party, à guerra.


O senhor é a favor da união civil entre homossexuais?
Sou a favor. O Brasil é uni país laico. Minhas convicções de fé não podem influenciar, tampouco atropelar o direito de outros. Temos de respeitar as necessidades e aspirações que surgem a partir de outra realidade social. A comunidade gay aspira por relacionamentos juridicamente estáveis. A nação tem de considerar essa demanda. E a igreja deve entender que nem todas as relações homossexuais são promíscuas. Tenho minhas posições contra a promiscuidade, que considero ruim para as relações humanas, mas isso não tem uma relação estreita com a homossexualidade ou heterossexualidade.


O senhor enfrenta muita oposição de seus pares?
Muita! Fui eleito o herege da vez. Entre outras coisas, porque advogo a tese de que a teologia de um Deus títere, controlador da história, não cabe mais. Pode ter cabido na era medieval, mas não hoje. O Deus em que creio não controla, mas ama. É incompatível a existência  de um Deus controlador com a liberdade humana. Se Deus é bom e onipotente, e coisas ruins acontecem., então há aluo errado com esse pressuposto. Minha  resposta é que Deus não está no controle. A favela, o córrego poluído, a tragédia, a guerra, não têm nada a ver com Deus. Concordo muito com Simone Weil, uma judia convertida ao catolicismo durante a Segunda Guerra Mundial, quando diz que o mundo só é possível pela ausência de Deus. Vivemos como se Deus não existisse, porque só assim nos tornamos cidadãos responsáveis, nos humanizamos, lutamos pela vida, pelo bem. A visão de Deus como um pai todo-poderoso, que vai me proteger, poupar, socorrer e abrir portas é infantilizadora da vida.


Mas os movimentos cristãos foram sempre na direção oposta.
Não necessariamente. Para alguns autores, a decadência do protestantismo na Europa não é, verdadeiramente, uma decadência, mas o cumprimento de seus objetivos: igrejas vazias e cidadãos cada vez mais cidadãos, mais preocupados com a questão dos direitos humanos, do bom trato da vida e do meio ambiente.



Recebi por email de um amigo chamado Rodrigo.

Maranata. Ora Vem Senhor Jesus!
Deus abençoe a todos.
               EXTRAÍDO DO BLOG DO PASTOR GUEDES.

Quem foi David Wilkerson ?

David Wilkerson foi o fundador e presidente do “Desafio Jovem”, que é uma organização sem fins lucrativos; fundada em 22 de Setembro de 1971. Reverendo Wilkerson é autor de trinta livros de sua inspiração, visando o ministério para viciado em drogas, jovens e membros de gangues em Manhattan, no Bronx, e no Brooklyn. Sua história é contada na Cruz e o Punhal, um livro que bateu o recorde de venda. (A história tem sido lida aproximadamente por 50 milhões de pessoas em trinta línguas e 150 países desde 1963. Em 1969, o filme do mesmo título foi lançado e ainda é visto por milhares de pessoas).

Em quatro décadas de ministério evangelístico do Reverendo Wilkerson, que inclui: pregação, ensino e a autoria de vários livros, tem sido possível alcançar um número significativo de pessoas em todo o mundo. Durante todo esse tempo, tem-se também preservado uma das características fundamentais deste trabalho, que assistir aos mais carentes e necessitados entre a população, isto através de grande uma mobilização evangelística-social, cujo um dos objetivos é reintegrar os marginalizados à sociedade, proporcionado-lhe uma nova vida em Jesus Cristo. Até mesmo agora, aos 72 anos de idade, ele sai às ruas de Nova Iorque acompanhado de um assistente. Nessas ocasiões, ele também visita o Broadway e Oitava Avenida, evangelizando os transeuntes. Sua missão está sempre procurando o perdido, o desorientado e o derrotado, para pregar a eles sobre o Cristo vivo.

David Wilkerson, nascido em Indiana, no ano de 1931, casou-se em 1953 com Gwen Carosso. Teve dois filhos que são ministros e suas duas filhas são casadas. Eles têm 11 netos. Os Wilkersons vinham servindo ao Senhor na Pensilvânia, até que o Reverendo Wilkerson viu uma fotografia em uma revista sobre violência urbana, que mostrava vários adolescentes da Cidade de Nova Iorque assassinados. Movido pela compaixão, ele foi à cidade em fevereiro 1959. Foi assim que ele começou seu ministério de rua. Depois atuou como escritor, visando alcançar os chamados: "desesperados, confundidos e violentos nas ruas e do submundo".

Naquele ano, o Reverendo Wilkerson encontrava um desafio no seu ministério: eram os adolescentes do Brooklyn, Nova Iorque, mas ele, enfim alcançou a juventude e adultos com problemas globais através de seus 490 centros de reabilitação social. Estes são ministérios de recuperação baseados em um programa para viciados em drogas, os quais têm sido reconhecidos como os maiores centros de recuperação do mundo. Um estudo do Instituto Nacional do Governo dos Estados Unidos de Uso de Droga comprovou a recuperação através do Desafio, de Adolescentes e jovens na marca de 86%.

A Cruzada da Juventude do David Wilkerson, originada em 1967, dando início a um ministério evangelístico, caracterizado por esforços do Reverendo Wilkerson para alcançar os adolescentes e crianças que foram abandonadas, para prevenir que eles caminhem para uma vida de escravidão nas drogas, álcool ou na violência. Através deste ministério, CURA (Centro Urbano de Recuperação de Adolescentes) tem-se recuperado muitas vidas preciosas. O CURA foi um esforço para realizar o idealismo e o sacrifício de muitas pessoas, jovens e cristãos que souberam sobre este trabalho de paz, e desejavam ajudar os necessitados.

Em 1971, o ministério se expandiu, e o Reverendo Wilkerson, movido por uma chama missionária, saiu do Texas, sede de seu ministério e do Desafio Jovem, para uma Missão específica de transmitir a eterna mensagem de Cristo através dos seminários para um público cristão, com objetivo de prepará-los para a tarefa de resgatar outras vidas para Cristo. O Desafio Jovem serve como um ponto de partida para cruzadas do Reverendo Wilkerson, conferências dos ministros, livros e produção de vídeo, escolas bíblicas, evangelismo de rua, distribuição de literatura, investimentos em programas antidroga.

Ele continua como presidente do Desafio Jovem, ministrando palestras para centenas de milhares de pessoas que, regularmente, têm recebido cópias dos sermões e notícias do ministério. O Reverendo Wilkerson, pessoalmente, lê os pedidos de oração, auxiliado pela sua esposa Gwen, que o ajuda a ler as milhares de correspondências, que chegam mensalmente. Responde as cartas e intercede pelas necessidades nelas expressas, levando-as a Deus em oração.

Em 1986, o coração do Reverendo Wilkerson se moveu outra vez para levantar um ministério nos Tempos Squares. Ele chorou pedindo a Deus para fazer alguma coisa, e em um dia, pela manhã, sentiu o Senhor falando ao seu coração: "Você sabe que eu amo essa cidade". Naquele momento, a igreja “Time Square” foi idealizada. A igreja foi inaugurada em outubro 1987 e, desde então, está com as suas portas abertas. Primeiro em um auditório alugado e depois no Teatro do Hellinger, que o ministério adquiriu em 1989. A igreja está localizada no coração do Distrito de Manhattan. O teatro é belo, em contraste à pobreza e necessidades dominantes daquela área. E a congregação é composta de 8.000 pessoas, da Cidade de Nova Iorque: entre doutores, estudantes, professores, advogados, viciados e os desabrigados, enfim todas as classes.

David wilkerson faleceu nesta quarta feira em um acidente de carro. O Rev. David estava na estrada I 175 no Texas quando tentou uma ultrapassagem e teve seu carro atingido por uma carreta na direção oposta.
                        EXTRAÍDO DO BLOG DO Pr. RENATO VARGENS

quarta-feira, 27 de abril de 2011

"Adoração não é um estilo musical, é compromisso com Deus!"


Adoração é amar a Deus acima de tudo!
Adoração é servir a Deus com compromisso e alegria.
Adoração é renunciar a própria vontade.
Adoração é viver no centro da vontade de Deus.
Adoração é aceitar a repreensão do Senhor.
Adoração é querer o bem do próximo.
Adoração é buscar a santidade.
Adoração é ter sede e fome de Deus!
Adoração é louvar a Deus além das circunstâncias.
Adoração é trazer sacrifício de louvor no altar do Senhor.
Adoração é buscar o reino de Deus e a sua justiça em primeiro lugar!
Adoração é fazer a obra do Senhor com gratidão e não por obrigação!
Adoração é ser agradável com as pessoas...
Será que somos verdadeiros adoradores?
(Por Cláudia Rosa)
                                EXTRAÍDO DO BLOG SERVINDO EM ADORAÇÃO

domingo, 24 de abril de 2011

O QUE É PÁSCOA ???

O QUE É PÁSCOA ???


Assim como no Egito o povo de Deus recebeu livramento de morte e libertação atravéz do sangue de um cordeiro sacrificado, nós que não somos Judeus recebemos o livramento da morte eterna ( inferno ) e da escravidão do pecado, atravéz do sangue de um cordeiro chamado Jesus.
Rm.6:18 E, libertados do pecado, fostes feitos servos da justiça.
***
IPe.1:18 Sabendo que näo foi com coisas corruptíveis, como prata ou ouro, que fostes resgatados da vossa vä maneira de viver que por tradiçäo recebestes dos vossos pais,
19 Mas com o precioso sangue de Cristo, como de um cordeiro imaculado e incontaminado,
Jesus é o cordeiro de Deus que
derramou o seu sangue na cruz, para nos livrar da morte eterna e da escravidão do pecado.
Jo.1:29 No dia seguinte João viu a Jesus, que vinha para ele,
e disse:Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo.
***
Ap.5:8 E, havendo tomado o livro, os quatro animais e os vinte e quatro anciäos prostraram_se diante do Cordeiro, tendo todos eles harpas e salvas de ouro cheias de incenso, que säo as oraçöes dos santos.
9 E cantavam um novo cántico, dizendo: Digno és de tomar o livro, e de abrir os seus selos; porque foste morto, e com o teu sangue compraste para Deus homens de toda a tribo, e língua, e povo, e naçäo.
Jesus como era Judeu  comemorou sua última páscoa, transformando_a em primeira santa ceia.
Lc.22:15 E disse_lhes: Desejei muito comer convosco esta páscoa, antes que padeça.
***
20 Semelhantemente, tomou o cálice, depois da ceia, dizendo: Este cálice é o novo testamento no meu sangue, que é derramado por vós.
A partir do sacrifício de Jesus o povo de Deus passou a comemorar
o livramento da morte eterna ( inferno = juízo de Deus ) e libertação da escravidão do pecado e de satanás ( Faraó ).
Esta comemoração é feita atravéz da santa ceia ( pão e vinho ).
1co.5:7b_Porque Cristo, nossa páscoa, foi sacrificado por nós.

pr.manoelcorreia pregando no orkut!

RESPOSTA AO DESPROPOSITADO MARCO FELICIANO


"Vivo eu, diz o Senhor Deus, que porquanto as minhas ovelhas foram entregues à rapina, e as minhas ovelhas vieram a servir de pasto a todas as feras do campo, por falta de pastor, e os meus pastores não procuraram as minhas ovelhas, pois se apascentaram a si mesmos, e não apascentaram as minhas ovelhas; portanto, ó pastores, ouvi a palavra do Senhor: Assim diz o Senhor Deus: Eis que eu estou contra os pastores; das suas mãos requererei as minhas ovelhas, e farei que eles deixem de apascentar as ovelhas, de sorte que não se apascentarão mais a si mesmos. Livrarei as minhas ovelhas da sua boca, para que não lhes sirvam mais de pasto". (Ezequiel 34.8-10)
Nesse texto o profeta lança duras criticas aos falsos pastores (líderes) em Israel que estavam interessados apenas em seu conforto, em sua própria visibilidade e não com os valores do Reino de Deus que a sua justiça. A expressão "eis que estou contra os pastores" é forte e contundente e bem que poderia referir-se também ao despropositado Marco Feliciano, infelizmente pastor da Assembléia de Deus e mais infelizmente ainda deputado federal por São Paulo que, em entrevista à revista Veja disse que a explicação para os desmandos no continente africano e a miséria no Haiti é uma maldição que Deus fez cair sobre os negros! Leia alguns trechos dessa maléfica matéria, o crédito da reportagem é de Adriana Caetano:
(http://veja.abril.com.br/noticia/brasil/marco-feliciano-outro-deputado-contra-gays-e-negros)
Parece que a moda de deputados esbravejando contra gays e negros publicamente, iniciada por Jair Bolsonaro (PP-RJ), pegou. Pelo Twitter, o pastor evangélico e deputado federal Marco Feliciano (PSC-SP) saiu em defesa do colega acusado de racismo e homofobia nesta quinta-feira. Feliciano chamou de “práticas promíscuas” o relacionamento entre homossexuais e de “descendentes amaldiçoados de Noé” os africanos. A reação no microblog foi imediata e o parlamentar ainda reclamou por ter sido criticado.
De acordo com a teoria do deputado evangélico, os ancestrais que povoaram a Etiópia, na África, são descendentes de um neto amaldiçoado de Noé chamado Canaã e esse seria o motivo das doenças e da miséria naquele continente, que originou a raça negra. Ao ser recriminado por internautas, Feliciano justificou: “Africanos descendem de ancestral amaldiçoado por Noé. Isso é fato. O motivo da maldição é a polêmica. Não sejam irresponsáveis twitters”.
Com os homossexuais ele foi ainda mais longe. “A podridão dos sentimentos dos homoafetivos levam (sic) ao ódio, ao crime, à rejeição. Amamos os homossexuais, mas abominamos suas práticas promíscuas”, disparou. Por causa de suas afirmações nada ortodoxas, Marco Feliciano já é chamado de discípulo de Jair Bolsonaro. O parlamentar do PP causou confusão quando afirmou, em entrevista ao programa CQC, na última segunda-feira, que bateria em um filho que fosse gay e não entraria em um avião pilotado por um negro. Disse, ainda, em resposta à cantora Preta Gil, que não deixaria os filhos namorarem uma mulher negra, o que chamou de "promiscuidade". No dia seguinte, tentou se redimir, dizendo ter entendido errado a pergunta. Preta Gil já anunciou que vai processar o deputado por discriminação.
Esses argumentos do pseudo pentecostal e deputado é oriundo de uma corrente rascista deplorável do conservandorismo evangélico. Todos os teólogos de verdade, cheios de calor no coração e luz na mente repudiam esse raciocínio, uma vez que isso não coaduna com a boa interpretação dos fatos. Não há base escriturística para afirmarmos que os descendentes de Canaã eram negros, e muito menos em afirmar que a maldição que foi lançada contra Cão tem persistido durante tantas gerações. O que houve no episódio bíblico foi a quebra do respeito entre pai e filho, ao haver uma desonra de Cão em relação a Noé. Na Bíblia, a nudez está sempre associada à vergonha e isso pode ser visto pelo próprio termo hebraico para nudez. Pelo comentário de Bruce Waltke, na Bíblia, a palavra "arum" geralmente descreve alguém despido de roupa protetora e "nu" no sentido de ser indefeso, fraco ou humilhado (Dt. 28.48; Jó 1.21; Is. 58.7). Logo, me parece claro que o ato de Cão quebrou o princípio de obediência à autoridade de seu pai, e ele (e seu filho Canaã) foram punidos por conta desse ato a servirem de "servos" de seus irmãos.
É importante salientar à luz de um conhecimento básico de história que o continente africano é visto como um território onde a miséria prolifera pelas razões imperialistas de seus governos déspotas e sobretudo, pela política expansionista de países desenvolvidos do velho continente. O mapa da Africa como é desenhado hoje em países geograficamente definidos foi desenhado de modo arbitrário sem respeitar critérios de etnias, grupos e nações ali reunidas. Com isso, há paises (a Líbia é um exemplo disso) que são formadas por dezenas e até centenas de tribos com linguas e culturas diferenciadas! Quem estabeleceu isso: os paises brancos (se formos usar o reducionismo preto e branco de Marcos Feliciano). Eu pergunto: pode haver desenvolvimento num continente que sempre foi alvo dos interesses dos outros pelos seus diamantes e petróleos, e nunca foi valorizado como lugar de "gente"? É fácil tê-los como amaldiçoados, agora e como ficam os que os que os amaldiçoaram, muitas vezes com Bíblias nas mãos e vestidos impecavelmente de ternos europeus?
Me causa náusea ouvir argumentos como o desse referido pastor. Eu estive no Haiti no ano passado e estou retornando esse ano levanto mais 21 pessoas, eu vi lá uma igreja forte, briosa e alegre, sem qualquer sinal de gente amaldiçoada por ter a pele negra. É uma infâmia afirmar que eles carregam algum estigma espiritual por conta disso. Basta irmos ainda atrás e vermos que Adão, o primeiro homem tinha esse nome do hebraico "Adam" que veio de "Adamamah" que significa "terra", em outras palavras Adão tinha cor da terra. Era negro!
Fico por aqui mas ainda com dor no coração. Eu não sei se eu choro mais pelo destaque que a mídia ainda vai dar a esse deputado ou pelo fato de ainda existir no meio evangélico pessoas que ouvem esse "mensageiro de futilidades" chamado Marco Feliciano.
Estou chorando!
PS. Recebi uma intervenção de um valoroso leitor, com conhecimentos em hebraico que, pontualmente me corrigiu sobre o termo hebraico para "negro". Retifico aqui, o nome de "Adão" tem a ver com "terra vermelha". Mas, a minha pontuação de que Adão era negro, pode ser inferida pelo fato de que ele tinha a cor de terra, "avermelhado", bem mais próximo do negro que mora hoje no Egito ou na Etiópia, do que o europeu que mora na Alemanha ou França. 


sexta-feira, 22 de abril de 2011

PÁSCOA NO ANTIGO E NOVO TESTAMENTO.

PÁSCOA NO ANTIGO TESTAMENTO.
A palavra páscoa significa="passando por cima"ou"poupando".
Deus deu uma ordem para que seu povo escravo no Egito colocasse
o sangue de um cordeiro nas ombreiras e na verga das portas
de sua casas, pois a meia noite o anjo da morte iria passar e matar
todo primogênito de cada família, mas a casa que tivesse o sangue
seria "poupada" e assim aconteceu.
Ex.12:23 Porque o SENHOR passará para ferir aos egípcios, porém quando vir o sangue na verga da porta, e em ambas as ombreiras, o SENHOR passará aquela porta, e näo deixará o destruidor entrar em vossas casas, para vos ferir.
A partir daí o povo de Israel Saiu da escravidão do exito e passou a comemorar a páscoa como o dia da do livramento da morte e da liberdade da escravidão.
Ex.12:14 E este dia vos será por memória, e celebrá_lo_eis por festa ao SENHOR; nas vossas geraçöes o celebrareis por estatuto perpétuo.
Esta festa passou a ser comemorada de geração a geração.
Vs.26 E acontecerá que, quando vossos filhos vos disserem: Que culto é este?
27 Entäo direis: Este é o sacrifício da páscoa ao SENHOR, que passou as casas dos filhos de Israel no Egito, quando feriu aos egípcios, e livrou as nossas casas. Entäo o povo inclinou_se, e adorou.
PÁSCOA NO NOVO TESTAMENTO.
Jesus é o cordeiro de Deus que
derramou o seu sangue na cruz, para nos livrar da morte eterna e da escravidão do pecado.
Jo.1:29 No dia seguinte João viu a Jesus, que vinha para ele,
e disse:Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo.
Jesus como judeu comemorou sua última páscoa, transformando_a em primeira santa ceia.
Lc.22:15 E disse_lhes: Desejei muito comer convosco esta páscoa, antes que padeça;
16 Porque vos digo que näo a comerei mais até que ela se cumpra no reino de Deus.
17 E, tomando o cálice, e havendo dado graças, disse: Tomai_o, e reparti_o entre vós;
18 Porque vos digo que já näo beberei do fruto da vide, até que venha o reino de Deus.
19 E, tomando o päo, e havendo dado graças, partiu_o, e deu_lho, dizendo: Isto é o meu corpo, que por vós é dado; fazei isto em memória de mim.
20 Semelhantemente, tomou o cálice, depois da ceia, dizendo: Este cálice é o novo testamento no meu sangue, que é derramado por vós.
A partir da morte e ressureição de Cristo o povo de Deus ( judeus e não judeus = igreja ),  passou a comemorar
a salvação da morte eterna ( inferno = juízo de Deus ) e libertação da escravidão do pecado no ato da santa ceia.
Rm.6:18 E, libertados do pecado, fostes feitos servos da justiça.
através festa da ceia do Senhor(pão e vinho) comemoremos.

há esperança !!!!


Jó.14:7 - Porque há esperança para a árvore, que, se for cortada, ainda torne a brotar, e que não cessem os seus renovos.
8-Ainda que envelheça a sua raiz na terra, e morra o seu tronco no pó,
9- contudo ao cheiro das águas brotará, e lançará ramos como uma planta nova.
Jó perdeu seus bens materiais, sua saúde e sua família, mas permaneceu fiel a Deus.
Não perdeu a fé em Deus, não perdeu a esperança ( "EU SEI QUE MEU REDENTOR VIVE"); e continuou confiando em Deus.
O nosso Deus virou o cativeiro de Jó e deu a ele tudo em dobro.
Se há esperança para uma árvore que mesmo depois de cortada , com suas raízes envelhecidas na terra e o tronco ter se tornado em pó; há também esperança para quem confia em Deus.
Lembre-se você pode perder tudo, mas não pode perder à esperança. Existe um Deus no céu que está no comando da sua vida, ele ainda opera milagres.
Lc.1:37  Porque para Deus nada é impossível.

O mundo diz que a esperança é últma que morre,
mas a esperança do Cristão nunca morre, pois a nossa esperança é Cristo.

1Pe.1:3 Bendito seja o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo que,
segundo a sua grande misericórdia, nos gerou de novo para
 uma “viva esperança”, pela ressurreiçäo de Jesus Cristo dentre os mortos.

Para quem perdeu a esperança só existe duas maneira de reencontra-la.
1º) oração.
Lm.3:29  Ponha a sua boca no pó; talvez ainda haja esperança.2º) Lendo a bíblia:
Rm.15:4 Porque tudo o que dantes foi escrito, para nosso ensino foi escrito,
para que pela paciência e consolaçäo das Escrituras
"tenhamos esperança".

Se há esperança para uma árvore cortada imagine prá nós (filhos(as) de Deus.

quarta-feira, 20 de abril de 2011

MUDEI A BÍBLIA!?

MUDEI A BÍBLIA! Uma resposta aos defensores de Terra Nova.


A Bíblia não é a Palavra de Deus. Vamos mudá-la!


Por Wilson Porte Jr.
Sinceramente, eu não imaginava que receberia tantos e-mails furiosos por causa de meus comentários sobre o Patriarca Renê Terra Nova (patriarca, do naipe de Abraão, Isaque e Jacó!). Em meio a tantos e-mails e comentários, decidi responde-los através desse post
Impressionante como as pessoas amam cegamente seus líderes, mesmo quando estes pervertem a Bíblia. 
Impressionante, também, o número dos “politicamente corretos” em meio ao povo de Deus... pessoas que têm me exortado a não citar nomes, falar dos erros, mas não dos que os ensinam. O resumo da ópera é o seguinte: 1) Eu devo tomar cuidado e parar de falar do Ungido do Senhor; e 2) Eu devo criticar sem usar nomes, apenas falar dos erros, sem dar nomes “aos bois”.
Diante de tudo isso, chego a uma conclusão: TAMBÉM VOU BRINCAR DE MUDAR A BÍBLIA.
Aliás, a Bíblia inteira não, mas só algumas partes que me convêm, certo? Muito bem, vamos fazer de conta que a Bíblia pode ser mudada e vamos mudar o que Paulo escreveu:
2Tm 4.10
 “Porque alguém, tendo amado o presente século, me abandonou e se foi para Tessalônica...” 2Tm 4.10 (mudado para uma forma politicamente correta!)
2Tm 4.14
Um outro alguém, causou-me muitos males; o Senhor lhe dará a paga segundo as suas obras.” (devidamente mudado!)
1Tm 1.19-20
“mantendo fé e boa consciência, porquanto alguns, tendo rejeitado a boa consciência, vieram a naufragar na fé. E dentre esses se contam um fulano aí e outro ciclano lá, os quais entreguei a Satanás, para serem castigados, a fim de não mais blasfemarem.” (agora sim, não?)
2Tm 2.16-18
“Evita, igualmente, os falatórios inúteis e profanos, pois os que deles usam passarão a impiedade ainda maior. Além disso, a linguagem deles corrói como câncer; entre os quais se incluem ah... é melhor não citar nomes... e ah, outro cara aí. Estes se desviaram da verdade, asseverando que a ressurreição já se realizou, e estão pervertendo a fé a alguns.” (mudado!) 
Gl 2.9-11
“e, quando conheceram a graça que me foi dada, Tiago, Cefas e João, que eram reputados colunas, me estenderam, a mim e a Barnabé, a destra de comunhão, a fim de que nós fôssemos para os gentios, e eles, para a circuncisão; recomendando-nos somente que nos lembrássemos dos pobres, o que também me esforcei por fazer. Quando, porém, um deles (prefiro nem citar...) veio a Antioquia, resisti-lhe face a face, porque se tornara repreensível.”

O que acharam, hein? Pessoal, não vou fazer o que tantos têm feito. Não ousarei reinterpretar, reescrever, ou dizer que tenho nova revelação. Ficarei com as Antigas Palavras, com a Santa Bíblia, com o Cânon Revelado, ficarei com a Palavra que, de uma vez por todas, veio de Deus a nós.
E, na Bíblia, os nomes daqueles que erram são citados para que todos saibam e cuidem para não cair em seus engodos. Veja que diferença, e quão politicamente incorreta é a Palavra de Deus (para os “santinhos” de hoje em dia):
2Tm 4.10
“Porque Demas, tendo amado o presente século, me abandonou e se foi para Tessalônica...”
2Tm 4.14
Alexandre, o latoeiro, causou-me muitos males; o Senhor lhe dará a paga segundo as suas obras.”
1Tm 1.19-20
“mantendo fé e boa consciência, porquanto alguns, tendo rejeitado a boa consciência, vieram a naufragar na fé. E dentre esses se contam Himeneu e Alexandre, os quais entreguei a Satanás, para serem castigados, a fim de não mais blasfemarem.”
2Tm 2.16-18
“Evita, igualmente, os falatórios inúteis e profanos, pois os que deles usam passarão a impiedade ainda maior. Além disso, a linguagem deles corrói como câncer; entre os quais se incluem Himeneu e Fileto. Estes se desviaram da verdade, asseverando que a ressurreição já se realizou, e estão pervertendo a fé a alguns.” 
Gl 2.9-11
“e, quando conheceram a graça que me foi dada, Tiago, Cefas e João, que eram reputados colunas, me estenderam, a mim e a Barnabé, a destra de comunhão, a fim de que nós fôssemos para os gentios, e eles, para a circuncisão; recomendando-nos somente que nos lembrássemos dos pobres, o que também me esforcei por fazer. Quando, porém, Cefas veio a Antioquia, resisti-lhe face a face, porque se tornara repreensível.”

Percebem? A Bíblia me dá o precedente para citar nomes. Quando se torna necessário citar nomes, Paulo o faz, sem hesitação. Ele corrige ensinos distorcidos e cita suas fontes. Além do precedente bíblico, creio que seja uma responsabilidade do cristão mencionar os nomes daqueles que têm pervertido o Evangelho.
Paulo Romeiro
Paulo Romeiro certa vez usou a seguinte ilustração:
 Imagine o leitor se há um remédio sendo comercializado, trazendo perigo de morte à população. Certamente as emissoras de rádio e TV não conseguiriam prestar um serviço ao público levando ao ar o seguinte anúncio: “Informamos que há um remédio sendo vendido nas farmácias que pode levá-lo à morte. Desde que não vamos citar o nome do remédio, tente descobrir por você mesmo”. Não seria isso um absurdo? Quando alguém descobrisse que remédio é esse, já seria tarde demais.

Renê Terra Nova, Ricardo Gondim, Silas Malafaia, Edir Macedo, Valdemiro Santiago, dentre outros, não têm vergonha de ensinar heresias grotescas em público (eles acreditam piamente nelas!). Sinto por aqueles que defendem alguém disposto a discordar de Cristo. Não tenho medo de dizer o que eu disse pois já fui regenerado e o maligno não me toca. Não adianta ficarem dizendo pra eu tomar cuidado. Quem tem de tomar cuidado (e muito cuidado) é quem distorce a Palavra, e o faz publicamente! E mais, quem os ouve cega e apaixonadamente deve tomar cuidado também, pois água barrenta não mata a sede de ninguém, aliás, ela mata esse alguém.
Escrevo por amor daqueles que amam a Verdade (escrita e encarnada em Jesus Cristo), mas, que por falta de conhecimento, estão se perdendo nas mãos de lobos vorazes que estão entre o povo de Deus. Tais homens adoram o seu próprio ventre.
Pessoal, lamento informar que eu amo mais a Verdade do que qualquer homem que seja. E, se outra vez eu tiver de escrever sobre alguém, eu o farei, pois meu amor pela Verdade é maior do que meu amor por quem quer que seja.

Eu preciso desabafar!

 Por Renato Vargens

As vezes tenho a impressão que estou dando soco em ponta de faca. Isto porque, mesmo diante das denuncias feitas por inúmeros homens de Deus,  que corajosamente têm enfrentado os falsos profetas desta geração, confrontando com veemência os seus desvios teológicos,  um número absurdo de pessoas tem se contraposto a isto tudo, preferindo permanecer escravos do engano.

Por razões óbvias, confesso que eu possuo uma enorme dificuldade em ouvir a programação de algumas rádios evangélicas. No entanto, nesta tarde, enquanto dirigia meu carro em meio ao caótico trânsito de Niterói,  resolvi sintonizar o meu dial numa famosa rádio gospel. Ao fazê-lo,  ouvi canções que homenageavam a mulher amada, a mãe querida,  pregações distorcidas, canções extravagantes e antropocêntricas, manifestações politiqueiras dos pilantras da fé, além das doutrinas espúrias daqueles que se auto-denominaram apóstolos de Cristo. Para piorar a situação,  a rádio em questão, em vez de gastar o seu precioso tempo propagando os valores do Reino,  optou por divulgar um tipo de música cujo conteúdo e tema era a galera do retété. Se  não bastasse isso, ouvi convites apostólicos para cultos de milagres e libertação dos vales e da miséria, além é claro, de ter ouvido um gigantesco desfilar de titulos escalofobéticos inventados por essa gente que trocou a simplicidade do Evangelho, pelos tesouros deste mundo.

Caro  leitor, me desculpe, mais eu preciso desabafar! Sinceramente o chamado mercado gospel me enoja! A teologia da prosperidade e confissão positiva me tem levado as lágrimas. Saber que homens e mulheres em nome de Deus mercadejam a mensagem da Salvação Eterna, me deixa absolutamente escandalizado. 

Confesso que não suporto mais ver a paganização do cristianismo, nem tampouco a comercialização da fé. Hoje, fiquei sabendo que um hit famoso, dos Mamonas Assassinas, foi transformado em hit gospel. Um dos refrões cantados e adptados pelos seguidores de GEZUIS diz com todas as letras que "Jesus me deixa doidão"

Caro leitor, vamos combinar uma coisa? As vezes sinto vontade de jogar a toalha! Sinceramente existem momentos que penso em dar ouvidos a alguns pastores amigos que dizem: " Cara, deixa isso pra lá, a igreja brasileira é irrecuperável! As coisas vão piorar cada vez mais." 

Pois é, hoje a tarde, depois de ter perdido meu precioso tempo ouvindo esta funesta rádio evangélica, confesso que me senti  "down" e que a consequência deste meu sentimento  foi o de  chutar o balde e passar a cuidar exclusivamente da minha igreja, não me preocupando mais com as esquizofrenias do movimento gospel, nem tampouco escrever mais neste blog. Todavia, depois de um momento de oração, Deus pela sua graça, me mostrou que Ele tem cuidado do seu povo, e que por sua exclusiva misericórdia ainda existe neste tupiniquim país, muitos que não se dobraram diante Baal.

Isto posto, rogo ao Senhor que tenha compaixão do seu povo e nos conceda um verdadeiro avivamento, promovento na sua igreja uma nova e preciosa reforma.

Vamos em frente,


Pr. Renato Vargens

terça-feira, 19 de abril de 2011

Tipos de obreiro que participam das AGO's da CGADB


Na semana passada ocorreu mais uma Assembleia Geral Ordinária (AGO) da CGADB (Convenção Geral das Assembleias de Deus no Brasil). Ela foi realizada em Cuiabá-MT, na Assembleia de Deus presidida pelo querido pastor Sebastião Rodrigues de Souza.

Devido a vários motivos de força maior, principalmente compromissos profissionais, não pude participar desse importante evento. Mas gosto muito das reuniões convencionais da CGADB. Essas Assembleias Gerais nos permitem rever amigos de várias partes do Brasil, além de nos propiciarem a oportunidade de participar da discussão de temas relevantes.


Em tais reuniões podemos, ainda, aprender com os erros e acertos dos obreiros que costumam falar nos momentos em que são discutidos temas polêmicos. Coincidente e curiosamente, o logotipo da CGADB ilustra bem as características dos obreiros que participam das reuniões convencionais, apresentando verdadeiros retratos deles.

No sentido negativo, o logotipo mencionado apresenta três tipos de convencionais: (a) o de cabeça quente (nervoso, irascível, arrogante, com foguinho sobre a cabeça); (b) o que pisa na bola e/ou nos seus desafetos (sem misericórdia, considera-se superior aos outros); e (c) o que tem duas caras (politiqueiro, bajulador, falso).

Positivamente
, o logotipo da CGADB também apresenta três tipos de ministros: (a) o pentecostal (com a chama sobre a cabeça, fervoroso, tem o poder do Espírito sobre a sua vida); (b) o zeloso (diligente, cuidadoso, olha por cima do rebanho, supervisionando-o, e vê ao longe); e (c) o empreendedor (prioriza a obra missionária; observe que há um globo sobre a sua cabeça).

Que Deus abençoe a quase-centenária Assembleia de Deus, e que os seus ministros sejam, de fato, pentecostais, zelosos e empreendedores. E que o Senhor Jesus nos guarde dos maus obreiros, que entram no ministério, mas o ministério nunca entrou em seus corações.


Em Cristo,


Ciro Sanches Zibordi

segunda-feira, 18 de abril de 2011

O missionário que se dane!


Certa vez um irmão em Cristo compartilhou comigo dizendo:  Fulano virou missionário pois não tinha competência para conduzir uma igreja.  Em uma outra ocasião um pastor amigo afirmou que na sua percepção  as mulheres vocacionadas ao ministério que  não se casam, não possuem  outra opção na vida a não ser virarem missionárias.

Pois é, parece que parte da igreja evangélica brasileira considera o trabalho missionário, como inferior. Isto se percebe nitidamente na forma de tratamento que o missionário recebe, isto sem falar é claro, nos baixos salários que  lhes são pagos.

O descaso com que algumas igrejas tratam os seus missionários é impressionante. Basta a crise bater a porta que a primeira coisa a ser cortada é o salário do obreiro.  Lamentavelmente nas reuniões de ministério, conselhos, ou assembléia, volta e meia aparece alguém dizendo: “pra que mandar esse dinheiro todo para o missionário? Não temos condições! Nossas contas estão elevadíssimas, precisamos cortar gastos.”  

Caro leitor vamos combinar uma coisa? Além de pagar mal (porque missionários na maioria das vezes recebem esmolas e não salários) a igreja ao enfrentar  uma crise financeira quer diminuir o salário do missionário? Por favor responda sinceramente: Seria isto justo? Por acaso o missionário não tem contas à pagar? Não possui  aluguel, não tem  que comprar alimentos,  pagar a escola  dos filhos, vestir-se, comprar remédios? 

Pois é, o problema é que boa parte da igreja tá se lixando para os missionários e suas missões. Infelizmente,  não são poucos que diante da falta de recursos por parte da igreja são obrigados a desisitir dos seus projetos, retornando ao país de origem. 

Prezado amigo, assusta-me o fato em saber que a Igreja de Jesus gasta milhões de reais anualmente embelezando seus templos enquanto quase nada se faz em prol do trabalho missionário. Para piorar a situação, em nome de uma visão megalomaniaca pastores investem os recursos do Reino comprando carros, helicopteros e aviões, cujo benefício é nada mais , nada menos do que o seu próprio bem estar.

Não me admiro em saber que no mundo inteiro a tarefa da Grande Comissão ainda esteja por se realizar! Cerca de  90% do dinheiro  arrecadado na igreja é investido na própria igreja, sete por cento em iniciativas evangelísticas onde o evangelho já foi pregado antes, e apenas três por cento em iniciativas missionárias para aqueles povos que nunca ouviram o evangelho. 

Isto posto, penso que a Igreja de Cristo precisa rever seus conceitos quanto ao seu investimento no trabalho missionário. Em minha caminhada pelo mundo, tenho conhecido gente santa e compromissada com o Evangelho da Salvação Eterna, e que por amor ao Pai, saíram de seus países , indo para a Amazônia, Africa, Ásia, Peru, Haiti e centenas de outros lugares mais, cuja paixão é o de anunciar o Desejado das nações. 

Diante disto, afirmo sem titubeios que  pessoas  deste quilate , não devem ser tratadas com desprezo e indiferença, antes pelo contrário, devem receber por parte da igreja brasileira todo apoio possivel, o que inclui investimento financeiro.

Pense nisso!

Renato Vargens
EXTRAÍDO DO BLOG DO Pr. RENATO VARGENS.

domingo, 17 de abril de 2011

O valor das pequenas coisas

  • Imprimir
  • E-mail
Um capacitado marceneiro estava enfrentando dificuldades em sua profissão em função de escassas procuras por parte do mercado. Certo dia, passando pela rua com um material para entregar, foi abordado por um cidadão que perguntou se ele estava disposto a fazer alguns alizares para ele, informando que já estava cansado de procurar  e nenhum marceneiro queria fazer, já que era um serviço pequeno e rendia pouco dinheiro.
Prontamente o marceneiro pegou o serviço com a promessa que entregaria no outro dia tal hora. Foi para casa, trabalhou um pouco mais e, no dia e hora marcados, lá estava ele com os alizares prontos. O encarregado demorou um pouco e, ao chegar, já encontrou o marceneiro com sua encomenda. Conversa vai, conversa vem, dinheiro pra cá, mercadoria pra lá, chega o dono da obra. Informa do marceneiro se ele só é capaz de fazer aquilo ou se tem capacidade para fazer serviços mais finos e de maior responsabilidade. Começa outra negociação e o marceneiro sai dali com orçamento de milhares de reais para entregar dentro de um mês, recebendo adiantamento que lhe deu condições de equilibrar as finanças e com um relacionamento que lhe rendeu muitos outros serviços. O dono da obra disse ter admirado sua prontidão e fidelidade no horário combinado. E imaginar que tudo começou com um serviço pequeno e de pouco valor.
Assim também acontece com todos os outros aspectos da vida. Situações e coisas que damos pouco valor podem criar oportunidades para grandes conquistas. É bom lembrar que uma escada que apresenta 20 ou mais degraus começa com o primeiro degrau. Subir fugindo essa lei é esforçar-se mais do que o devido e criar situações de desconforto para o corpo humano. Lembro-me que, mais jovem do que sou, tinha a mania de subir as escadas de três em três degraus. Depois, de dois em dois e, hoje, não propriamente pelo aspecto físico, mas pela maturidade, subo de um em um. Aliás, sabe quando o homem só consegue subir assim? Quando está mais maduro. Não é, apenas, uma questão de velhice, é de maturidade.
As pequenas coisas são etapas que nos preparam para o ápice, o sucesso, a vitória. Desprezá-las é uma atitude de imaturidade, pois o sucesso para quem está despreparado é pior do que nunca tê-lo alcançado. Não é sem propósito que Jesus disse que “o menor será o maior”, “quando fizerdes a um destes pequeninos, a mim o fizestes”, “se tiverdes fé do tamanho do grão de mostarda, direis a este monte: sai-te daqui e ele sairá” e “o reino dos céus é semelhante a um grão de mostarda que um homem tomou, e semeou no seu campo”. Percebeu como o maior de todos os mestres, o Deus-homem, ao falar de coisas grandiosas, lembrou-se das pequenas coisas?
Procure, hoje, através desta crônica, ativar em sua memória o valor das pequenas coisas e que o Deus de paz esteja propiciando grandes coisas para você e todos os seus familiares.

Algo Chamado Mudança

 

 

Por quê? por que os homens revivem a história, mantêm as tradições e prestam homenagens ao passado? Existe, porventura, uma necessidade ou instinto fundamental no ser humano de manter imutável uma pequena parte do mundo em contínua mutações?

A mudança é uma grande constante no mundo em que vivemos. Nós a vemos em toda a parte. Edifícios são demolidos e substituídos, provocando mudanças na silhueta do horizonte. Onde havia uma pastagem, surge uma nova estrada, e a linha de trafego de uma região é alterada. Mas existem outros tipos de mudanças mais difíceis de serem vistos. O crescimento, por exemplo, a idade; é claro que percebemos as conseqüências, mas o ritmo é tão lento e vagaroso, que quase não vemos a mudança acontecer, até que tenha acontecido.
Mas que é a mudança? É uma questão que há séculos preocupa o ser humano, pois a mudança é um paradoxo. O filósofo assim a definiu: "A mudança parece exigir que algo esteja em si mesmo e ao mesmo tempo não esteja em si mesmo." por exemplo, o gelo é gelo, mas, como observa o filósofo, também não é gelo, considerando que se derrete e se transforma em água. jogo de palavras? talvez, mas o ponto importante para aquele que pretende enfrentar as mudanças, com sucesso, é que a mudança não é apenas um evento, algo que aconteceu; mas também um processo continuo e sempre presente. E somente aqueles capazes de identificar a mudança, como um processo onde está acontecendo, é que pode tomar as medidas necessárias para influir nos resultados, pois, mesmo quando o homem procura mudanças, ele resiste a ela.
A história esta cheia de casos de indivíduos ou sociedades que não puderam ou não quiseram, se adaptar a novas realidades; em nossa própria geração já vimos categorias inteiras de empregos, produtos, serviços, organizações religiosas, que se tornaram obsoletos, o declínio e o fracasso de empreendimentos que não puderam mudar.
O homem resiste as mudanças com a mesma intensidade que as procura. A resistência às mudanças não se limita a coisas desconhecidas ou impróprias; assim, o homem faz as mudanças e o homem resiste às mudanças. E a história pende mais para o lado dos fazem do que para o lado dos que as resistem.

Sócrates Oliveira

Qualquer coisa serve!

Escrito por Ivonildo Texeira

Falava com um colega e amigo ao telefone. A conversa era muito especial. O assunto era motivador e, acima de tudo, com um homem de Deus. O meu coração ferveu de maneira tal que fiquei inspirado com uma expressão que jorrou dos lábios daquele profeta de Deus: "qualquer coisa serve".

Deus, ao criar a natureza, projetou cada elemento em seu devido
lugar e com toda a excelência, por saber que criaria um homem que certamente gostaria de viver de maneira digna. Deus, então, tomou a iniciativa de executar tudo maravilhosamente bem em favor do homem.
Fui várias vezes abordado por pedintes e meninos de rua, que quando percebem que não receberão nada, chegam a ponto de dizer: "Pelo amor de Deus qualquer coisa serve".
Um fato inquestionável é que nós recusamos "qualquer coisa" que alguém queira nos oferecer, não é verdade? Vejamos algumas áreas:
Na área sentimental, uma garota ou um rapaz não gostaria de ter como namorado, quem sabe aqui um esposo ou uma esposa, que "fosse qualquer um". O que ouvimos é: "tem que ser alto, olhos azuis, verdes, cor de mel, que impressiona no físico, atraente, bem remunerado, alegre, charmoso e que nunca tenha namorado alguém".
Na área profissional, "não serve qualquer trabalho". Há sempre
no coração de todos os desejos de ter uma boa função e com um ótimo salário. Alías é de praxe ouvir: "se não for por tanto eu não trabalho".
No mundo empresarial, muitos profissionais querem os melhores
empregados. Se é uma empresa que tem visão, investe na vida dos funcionários e em cursos para ganhar sempre a concorrência, reciclagem e por aí vai.
Na vida espiritual? Na caminhada com Jesus, muitos têm tido esta concepção de que para o "reino de Deus qualquer coisa serve".
Serve qualquer oração mesmo que seja meteórica, serve uma
leitura bíblica de qualquer jeito, serve apresentar meus dons e talentos a Deus de qualquer jeito, a qualquer hora, e como quero.
Quando sou solicitado a cumprir com o meu dever de devolver a
Deus o dízimo que é santo (Lv.27.32; Dt.12.), faço uma oferta como se fosse o dízimo, porque "o importante é participar", não importa como.
Outros dizem: "Deus entende", "qualquer coisa serve", e "Ele conhece o meu coração". Quando chega a hora de apresentar a minha gratidão com as ofertas que deveriam sair do coração, vem novamente "aquele vozinha do inferno" dizendo: "Qualquer coisa serve, pois Deus não olha para a aparência. Ele é bonzinho, sempre compreensivo. O importante não é o quanto se dá nem a hora e a qualidade, pois para Deus, qualquer coisa serve".
Interessante que na hora de pedir, tem que ser para "ontem",
precisa ser uma roupa de marca, um tênis da onda, a melhor comida, os melhores passeios, uma casa tipo castelo. Um carrinho? Jamais? Tem de ser uma carreta... Mas quando Deus diz: "Posso ser adorado com sua vida?". Aí a maioria diz, claro, isto é fácil, pois para o Senhor, "qualquer coisa serve".
O rei Davi deixa uma linda lição para nós: "Jamais oferecerei ao
Senhor Holocaustos que não me custem nada" (II Sm.24.24).
Dói o meu coração quando vejo Deus realizando tantos benefícios, alguns até impossíveis aos nossos olhos, o que poderíamos chamar de milagres, na vida de tantos; e tais beneficiados, quase ou nunca chegam com uma oferta de gratidão ao Deus da compaixão! São vidas marcadas por espíritos de miséria, avareza e usura! Ai dos que esquecem a gratidão!
Quem deseja ouvir, ouça: qualquer coisa nem o nosso semelhante merece, a menos que "esse qualquer coisa" seja a única e melhor coisa que tenho; o pior, ou até mesmo nada, para o Diabo e todos que pensam que para Deus qualquer coisa serve!
Mas, para o Deus do amor, devo apresentar as primícias da excelência, o meu melhor!
Pr. Ivonildo Teixeira
Autor de mais de 30 livros, ministrou sobre finanças em quatro continentes; pastor da Igreja do Nazareno, Praia de Itapoã, Vila Velha - E.S. www.ivonildoteixeira.com.br
Ivonildo Texeira

Ivonildo Texeira

Autor de mais de 30 livros, ministrou sobre finanças em quatro continentes; pastor da Igreja do Nazareno, Praia de Itapoã, Vila Velha - E.S.
www.ivonildoteixeira.com.br

LANÇAMENTO DO MEU LIVRO, EM BREVE

Postagens Recentes