sexta-feira, 28 de fevereiro de 2014

PADRE SOFRE PERSEGUIÇÃO POR NEGAR ADORAÇÃO A MARIA

O padre Fábio de Melo já começou a sofrer perseguição pelo seu próprio povo. 

Depois de fazer algumas declarações polêmicas, Fábio de Melo é vitima de uma petição pública, que exige o afastamento do padre do Programa Direção Espiritual, exibido na Tv Canção Nova. 

Depois de vários sites especializados em notícias gospel reproduzirem um vídeo, em que o padre critica a adoração a Maria, alguns católicos passaram a tratá-lo como herege, e passaram a perseguir o padre. Assista o vídeo que motivou a petição: 



Veja o fundamento do pedido, apresentado a AVAAZ 

Padre Fábio de Melo nega a natureza divina da Igreja, dizendo que Cristo queria implantar o Reino de Deus na Terra. Isso é Teologia da Libertação já condenada pela Sé Apostólica, com a nuança de que a Igreja foi criação de homens e não de Cristo, Literalmente o padre disse: 

Jesus não queria a Igreja, queria o Reino de Deus, mas a Igreja foi o que conseguimos dar a Ele”. 

Ele também relativiza a presença real de Cristo na Eucaristia, dizendo que: 

O que é a presença real?[ ...] O pão e o vinho somente? Não.” 

A presença real de Cristo é apenas na Eucaristia, sem embargo à onipresença de Cristo, no entanto, corpo, alma e divindade de Cristo estão presentes apenas na Eucaristia. 

O Código de Direito Canônico condena essa relativização com pena máxima: 

884. Cân. 2. Se alguém disser que no sacrossanto sacramento da Eucaristia fica a substância do pão e do vinho juntamente com o corpo e o sangue de Nosso Senhor Jesus Cristo; e negar aquela admirável e singular conversão de toda a substância de pão no corpo, e de toda a substância do vinho no sangue, ficando apenas as espécies de pão e de vinho, que a Igreja com suma propriedade (aptissime) chama de transubstanciação — seja excomungado [cfr. n° 877]. 

Também faz apologia ao Socialismo, como na entrevista ao Instituto Humanitas Unisino: 

A proposta de Jesus é socialista, né? O socialismo tem sido mal interpretado. Bem aplicada, sem os exageros da antiga União Soviética, a proposta socialista só edifica.” 

Ocorre que desde Pio X, passando por Leão XII, PIo XII, Paulo VI, João XXIII, dentre outros, o comunismo e Socialismo sempre foram doutrinas condenadas, de modo que JOão XXIII disse que ao católico não é admitido “nem o socialismo moderado”. 

Outro ponto que merece ser observado é a falta de zelo pelo sacerdócio, de modo que, tanto em apresentações, quanto no dia-a-dia, quanto em programas de TV, o sacerdote não usa vestes clericais. Ocorre que é norma disciplinar que obriga o sacerdote a se vestir de forma diferente da dos leigos, utilizando a batina, ou camisa com colarinho romano, sendo utilizado o clergyman em qualquer situação. Não é norma facultativa, mas obrigatória a utilização de roupa distinta da que os leigos utilizam. Isso não é observado e é pregado abertamente que “o hábito não faz o monge”, mas a falta de clergyman, com certeza, faz um sacerdote desobediente. 

Enfim, por todos os danos causados à Igreja, pregando abertamente a Teologia da LIbertação, necessário que seja afastado do programa Direção Espiritual, bem como cesse de pregar o que a Igreja não ensina, permitir o que a Igreja proíbe, voltando à plena comunhão com o Papa, com os bispos do mundo inteiro, fazendo aquilo que a Igreja do mundo todo faz. 

*** 

 Fonte: Extremo Gospel. Gente, sinceramente, eu não tenha nada a declarar sobre essa polêmica. Se vocês quiserem comentar algo, quem sabe eu formule algum conceito. Prefiro dar um tempo, ao tempo.
Antognoni Misael.

quinta-feira, 27 de fevereiro de 2014

Perseguição aos cristãos aumenta na Nigéria

Nigeria 2014.jpg
2014 começou de forma excepcionalmente violenta no norte e nordeste da Nigéria, o que levou organizações cristãs a renovarem seus apelos para uma melhor segurança do governo. Radicais invadiram uma igreja durante o culto, bloquearam a porta principal, detonaram bombas caseiras e abriram fogo contra os presentes
O Boko Haram, grupo militante que quer instaurar a sharia (lei islâmica) em todo a Nigéria – país mais populoso da África –, tem travado vários ataques contra os cristãos, especificamente:

26 de janeiro; Aldeia WagaChakawa, estado de Adamawa:  Radicais invadiram uma igreja durante a celebração do culto, bloquearam a porta principal, detonaram bombas caseiras e abriram fogo. Algumas vítimas tiveram suas gargantas cortadas.

"Meu irmão foi morto como um carneiro," disse Moisés Yohanna à agência de notícias Associated Press.

"Os invasores trancaram a igreja, dispararam contra aqueles que tentaram fugir, e cortaram as gargantas dos demais", disse o líder cristãos Stephen DamiMamza à BBC. "Eles detonaram bombas, e nas quatro horas seguintes incendiaram casas e fizeram reféns."

As notícias divergem sobre o número exato de pessoas mortas, mas alguns relatam que o número de mortos chegou a 53.

31 de janeiro; Aldeia SabonGariYamdula,estado de Adamawa: Militantes invadiram uma reunião de oração à noite, em EkklesiyarYan'uwa, e começaram a atirar. O pastor e dez membros da congregação foram mortos. Os radicais tentaram queimar a aldeia, mas foram expulsos pelos moradores armados, incluindo os jovens.

31 de janeiro; Aldeia Manchok, estado de Kaduna: Uma família cristã de sete pessoas foi morta por radicais. Testemunhas descreveram para a mídia que se tratava de pastores Fulani. Fulani é um grupo étnico do Oeste Africano, de maioria muçulmana, que tem uma história de injustiças no que diz respeito aos cristãos e outros indígenas da Nigéria.

Ao todo, 367 pessoas foram mortas pelas mãos de membros do Boko Haram em 22 incidentes separados, durante as primeiras seis semanas de 2014, de acordo com o Fórum de Anciãos Cristãos dos Estados do Norte.

"Não se passou uma semana neste ano, em que os nossos irmãos do norte da Nigéria não fossem ameaçados, espancados e assassinados", disse um comunicado do fórum, assinado pelo seu presidente, Olaiya Phillips, e o secretário nacional, Emmanuel DanjumaSubilim.

"Eles foram mortos por causa de quem eles são e pelo que eles acreditam", dizia a declaração. "Eles foram assassinados porque estavam determinados a adorarem a Deus. Quase diariamente somos chocados e horrorizados ao sabermos de mais um ato de violência perpetrada contra membros inocentes da nossa comunidade, bem como nossos vizinhos muçulmanos."

O fórum pediu aos governos federais e estaduais da Nigéria para "cumprirem a sua obrigação, tal como consta na Constituição e garantirem a proteção de todos os nigerianos e sua liberdade de culto em segurança." Ele insistiu que "nenhum dos chefes de Serviços Armados deveriam dormir até que nigerianos de todas as religiões no Estado de Borno pudessem dormir".

Separadamente, a Associação Cristã da Nigéria emitiu um comunicado em 12 de fevereiro, observando que, entre os estados do nordeste e centro da Nigéria, histórias sangrentas de assassinatos por tiros e queima de casas de cristãos e suas igrejas continuam acontecendo.

"Nada menos que 30 pessoas sofreram vários graus de lesões no Planalto", um estado no centro da Nigéria, disse o secretário geral da associação, Rev. Musa Asake, ao ler o comunicado.

"O governo federal deve promover com um sistema eficiente e duradouro para impedir o ressurgimento de militantes do Boko Haram, que estão rondando aldeias, atirando e matando cristãos inocentes, especialmente aqueles que vivem na parte norte da Nigéria", concluiu Asake.
FontePortas Abertas Internacional
TraduçãoAnne Karen Oliveira

quarta-feira, 26 de fevereiro de 2014

A Escritura e a tradição hermenêutica

13 pontos sobre a Hermenêutica


Uma coisa é falar em tradição oral como fonte de revelação ao lado da Escritura, outra, bem diferente, é falar da tradição como consenso da igreja antiga, ou seja, como compreensão comum dos que mantiveram a fé bíblica ao longo dos séculos. Estamos nos referindo ao entendimento que pode ser rastreado na história dos cristãos que criam na autoridade suprema e exclusiva das Sagradas Escrituras. Tal entendimento deveria representar no mínimo o que o sinal amarelo do semáforo significa para um motorista.

O conceito de tradição como uma fonte autorizada de conhecimento teológico, ao lado e além das Escrituras, é um resíduo da heresia gnóstica no catolicismo romano. Foram os gnósticos os primeiros a sustentar o acesso a um pretenso conhecimento secreto e especial que não teria sido documentado. Essa visão criava uma hierarquia espiritual na igreja, onde os “perfeitos” tinham conhecimentos privilegiados. De semelhante modo, no catolicismo romano, a hierarquia eclesiástica se apresenta como depositária de uma suposta mensagem apostólica não escriturada.

Irineu (século II) respondeu aos gnósticos sustentando a autoridade e suficiência da Escritura, mas salientou a existência de um modo legítimo de interpretar os textos sagrados, uma forma reconhecida de ler a Bíblia dentro da comunidade da fé. Isso é o que chamamos de “tradição hermenêutica”. Ela não concorre com a autoridade da Bíblia, mas, antes, concorre para a autoridade da Bíblia, pois evita a proliferação de um relativismo hermenêutico despropositado. Temos aqui um critério de validação do conhecimento bíblico ou, pelo menos, um parâmetro para motivar o reexame de nossas primeiras conclusões.

O fato de não concordarmos com o catolicismo quando ele reivindica a infalibilidade do papa e dos concílios não deveria ensejar uma rendição ao subjetivismo interpretativo. Esse subjetivismo, que favorece ao relativismo predominante em nosso tempo, não é uma libertação de toda tradição, mas, antes, é a aceitação acrítica do pensamento moderno e racionalista que sustenta a autonomia atemporal do homem.

Alister McGrath explica a posição adotada pelos reformadores:
    
A Reforma magisterial estava extremamente consciente da ameaça de individualismo e procurou evitar essa ameaça enfatizando a interpretação tradicional da igreja para as Escrituras sempre que essa interpretação era considerada correta. A crítica doutrinária foi dirigida contra áreas em que a prática ou teologia católica parecia extrapolar ou contradizer as Escrituras. Uma vez que a maioria dessas interpretações se desenvolveu na Idade Média, não é de surpreender que os reformadores se referissem ao período de 1200–1500 como uma ‘era de decadência’ ou um ‘período de corrupção’, que tinham a missão de reformar. Também não é surpreendente que vejamos os reformadores apelando para os patriarcas da igreja primitiva como intérpretes em geral confiáveis das Escrituras (MCGRATH, 2007, p. 202).    
Não prestigiamos uma interpretação pessoal e isolada das Escrituras, antes, nós queremos “compreender, COM TODOS OS SANTOS, qual seja a largura, e o comprimento, e a altura, e a profundidade e conhecer o amor de Cristo, que excede todo entendimento”, para que sejamos “cheios de toda a plenitude de Deus” (Efésios 3.18,19) (ênfase do autor).

Não podemos negar dois milênios de história cristã. Se a igreja, por exemplo, estivesse errada em assuntos como a Trindade, as duas naturezas de Cristo e a inspiração da Bíblia, então, não teria existido continuidade legítima do cristianismo em praticamente dois mil anos. Obviamente, isso seria inaceitável, pois seria uma declaração de fracasso do projeto divino.

Certas seitas e denominações que não encontram antecedentes históricos respeitáveis para o seu ensino evidenciam com o fato a sua condição herética. O termo heresia significa “partido”, em oposição ao todo, enquanto “apostasia” significa “desvio”, indicando uma quebra de continuidade. Não se pode dar um salto acrobático do último apóstolo para os dias de hoje. Por esse motivo, são inaceitáveis certas novidades como a ordenação recente de mulheres ao ministério ou a ideia contemporânea de que homossexualismo não é pecado.

Jesus disse que o Espírito Santo guiaria os crentes a toda a verdade (João 16.13). Imaginar que algo possa ser descoberto hoje sem qualquer referência na história cristã anterior é negar a presença e obra do Espírito na igreja.

A tradição hermenêutica e a confiabilidade dos manuscritos bíblicos
O iluminismo foi um movimento racionalista que marcou o início da modernidade. Os iluministas julgavam como irracional qualquer perspectiva contrária àquela que defendiam. A verdade, porém, é que os iluministas reduziam a razão a uma única forma, à razão matemática, abstrata e dedutiva. A razão, porém, possui várias manifestações, sendo cada uma adequada a uma área do conhecimento ou a uma dimensão da realidade.

Uma vez que Deus se revelou progressivamente no tempo, nós não podemos desconsiderar a história ao interpretar a Bíblia. Antes, devemos levar em conta não só a história que foi registrada na Bíblia, mas também a história do registro bíblico.

Há pessoas que, influenciadas pelo iluminismo, reivindicam uma autonomia em relação à história. Elas querem interpretar a Bíblia sem conferir o resultado com o passado. Não percebem que não pode ser verdade o que não encontra continuidade ou antecedente dentro do cristianismo.

Se não tivesse existido uma tradição de leitura sacra, nós não teríamos sequer traduções confiáveis da Bíblia. As Escrituras hebraicas, por exemplo, só usavam consoantes. As vogais, não sendo escritas, eram conhecidas pela prática da leitura em sucessivas gerações. As disputas existentes até hoje sobre a pronúncia do nome de Deus no Antigo Testamento devem-se ao fato de os judeus não o mencionarem por excesso de reverência. Isso ocasionou o esquecimento das vogais do tetragrama divino.

Dentro do raciocínio aqui desenvolvido, nós cremos não só na inspiração dos autógrafos (manuscritos originais) da Bíblia, mas cremos que os manuscritos copiados existentes (apógrafos) também foram guardados providencialmente por Deus de acordo com o sentido dos originais. Não crer nisso é fazer Deus parecer contraditório, supondo que ele tenha inspirado infalivelmente os autores da Escritura para depois não preservar os textos pela sua providência. É limitar a ação miraculosa de Deus ao passado.

Alguns historiadores, depois da descoberta recente de manuscritos bíblicos julgados mais antigos, constataram pequenas variantes em relação ao texto que vínhamos usando para as nossas traduções (chamado “texto recebido”). A partir desse fato, eles puseram em dúvida a autenticidade de todas as traduções clássicas. Tais historiadores não perceberam que esses textos mais “antigos” não eram lá tão antigos. O texto que usamos, exatamente por ter sido considerado fiel aos originais pela igreja antiga, foi copiado e recopiado. A constante possibilidade de ter um exemplar mais novo fez com que os irmãos se descuidassem de guardar os exemplares mais antigos. Alguns textos que foram recentemente encontrados em locais específicos representam cópias imperfeitas. Tais cópias mereceram o cuidado de serem guardadas apenas porque, pelo fato de não serem tidas por fiéis, não foram mais recopiadas ao longo do tempo.

A Confissão de Fé De Westminster (I.8) conclui com razão:
O Velho Testamento em Hebraico (língua nativa do antigo povo de Deus) e o Novo Testamento em Grego (a língua mais geralmente conhecida entre as nações no tempo em que ele foi escrito), sendo inspirados imediatamente por Deus, e pelo SEU SINGULAR CUIDADO E PROVIDÊNCIA conservados puros em todos os séculos, são, por isso, autênticos, e assim em todas as controvérsias religiosas a Igreja deve apelar para eles como para um Supremo Tribunal.
Podemos ter certeza que a Palavra de Deus foi conservada pelo Deus fiel!

_____________________________________________________________________

Referências Bibliográficas:

MCGRATH, Alister E. Teologia Histórica. São Paulo: Cultura Cristã, 2007.
A CONFISSÃO DE FÉ DE WESTMINSTER. São Paulo: Cultura Cristã, 1994.

GLAUCO BARREIRA MAGALHÃES FILHO
Bacharel e Mestre em Direito pela Universidade Federal do Ceará; Doutor em Sociologia pela Universidade Federal do Ceará; Livre Docente em Filosofia pela Universidade Estadual Vale do Acaraú; Doutor em Ministério pela Faculdade de Teologia Metodista Livre; Pós-Graduado em Teologia Histórica e Dogmática pela Faculdade Entre Rios do Piauí; Professor de Hermenêutica da Universidade Federal do Ceará (Graduação, Mestrado e Doutorado); Pesquisador do NERPO/UFC (Núcleo de Estudos de Religião, Política e Cultura) – Grupo de Pesquisa cadastrado no CNPQ; Diretor do Instituto Pietista de Cultura (IPC); Coordenador do Curso de Direito da Fametro; Pastor da Igreja Batista Moriá em Fortaleza-Ce. Autor dos seguintes livros: O imaginário em as crônicas de Nárnia (Mundo Cristão), Lições das crônicas de Nárnia(Abba Press), Teologia e imaginário (Editora Refexão), Teologia do fogo (Moriá ed.), Manifesto contra o mundanismo (Moriá ed.), Hermenêutica e unidade axiológica da Constituição (Del Rey), Hermenêutica jurídica clássica (Conceito Editorial), Teoria dos valores jurídicos (Mandamentos) e A essência do Direito(Rideel).
Blog: cristianismoeuniversidade.blogspot.com.br
E-mail: glaucobarreira@yahoo.com.br


terça-feira, 25 de fevereiro de 2014

ENTREGUE TUDO A CRISTO

Se bem fizerem, não haverá aceitação para ti? E, Se não fizerem bem, o pecado jaz à porta, e para ti será o seu desejo, e sobre ele dominarás”  (Gênesis 4.7)
                                                                                                                    
  Gênesis 4 é a história do dia seguinte. Apenas um capitulo depois da queda, vemos que o homem não pode ter êxito sem DEUS. Este é o primeiro dia com a primeira família, e o capitulo está repleto de assassinato, violência contra a mulher e poligamia. Mas nosso foco está em Caim e Abel.
  Quando rejeitou o sacrifício sem sangue de Caim, DEUS o repreendeu com uma terrível advertência. Ele estava mostrando a Caim que sua adoração não era falsa, mas era uma adoração contida. Qualquer coisa que retemos de DEUS, inevitavelmente, irá tornar-se um campo de batalha para o inimigo
  A língua hebraica é pitoresca. Quando DEUS disse que o pecado jaz a porta, a imagem é a de um animal feroz do lado de fora à espera de uma vitima, a advertência é que qualquer coisa que não tenha sido apresentada/submetida a DEUS pode voltar-se contra você.

RETER ALGO DE CRISTO SERÁ FATAL

  Durante as cruzadas medievais, a igreja contratou assassinos bárbaros para matar pagãos. Em sua hipocrisia, os lideres religiosos disseram aos expedicionários que , para cumprirem a ordem da igreja, eles deveriam ser batizados nas águas. Quando foram mergulhados nas águas batismais, os expedicionários deixaram suas espadas, instrumentos de morte, fora da água. No ponto de vista deles, enquanto se tornaram cristãos, eles não queriam que suas armas estivessem sob qualquer autoridade da igreja ou de CRISTO. Com isso, eles realizaram uns dos piores massacres em nome do SENHOR. O que você retém de CRISTO, provará tornar-se muito mortal e perene.
Lembre-se destas três coisas sobre o animal à porta:

Ele é indomável: As pessoas tentam lidar com deus pecados ao fazer promessas e votos e considerar alguém a quem possa prestar contas. No entanto, elas ainda se vêem voltando para o pecado. Isso porque ele é indomável; ele deve morrer.
Ele não coopera: O animal aparecerá nos momentos em que nos julgamos mais santos. Ele se mostrará na igreja, em casa, no carro, em qualquer lugar.
Ele é subestimado: O animal pode levar-nos a fazer coisas que jamais pensamos que faríamos. Thiago 4.2 afirma que a luxúria pode transformar-se em homicídio. Davi viu isso acontecer quando se envolveu com Bate-Seba.
                                                                                                         (Tim Dilena)


DEUS abençoe a todos!!



Fonte: Bíblia de Estudo Despertamento Espiritual – Central Gospel
Texto : Almeida Revista e Corrigida – da Sociedade Bíblica do Brasil


segunda-feira, 24 de fevereiro de 2014

OS EFEITOS COLATERAIS DO G12


 “Porque virá tempo em que não sofrerão a sã doutrina; mas, tendo comichão nos ouvidos,
 amontoarão para si doutores conforme as suas próprias concupiscências;
 e desviarão os ouvidos da verdade, voltando às fábulas”     (2 Timóteo 4.3-4)


Por Adriano Montes
Se olharmos para o G12, da forma como ele nos é apresentado por seus propagadores, assim como seus defensores, ficaremos maravilhados, e tremendamente iludidos com a visão, pois o que o movimento oferece na realidade é uma formula extraordinária de crescimento, e os encontros?, Poxa, os encontros são tremendo, acho até que fico tremendo de medo quando fico de frente para um irmãozinho desses que acabou de chegar de um encontro, preciso pedir para ele cobrir o rosto, assim como fez Moisés, tenho medo de não suportar o brilho do rosto dele, tamanha é glória que ele trouxe de lá, pois, quando chegam do encontro, se sentem e se julgam as pessoas mais espirituais do mundo, são seres super espirituais, mais o incrível é que dura pouco, aquela euforia passa rápido, entra um esfriamento total, muitos até abandonam a congregação, e só voltam a ser espirituais novamente, após o próximo encontro, impressionante.
  Mais não é bem assim, sabemos que na verdade, o G12 tem deixado um rastro, muitas das vezes danoso nas igrejas por onde passa.
  Ao tomarmos um remédio, precisamos saber sobre seus efeitos colaterais, pois muitas das vezes, aquele que parece ser a esperança de cura para uma enfermidade, pode ser a causa de enfermidades ainda piores, devido aos seus efeitos colaterais, por vezes danosos a nossa saúde, isso devido a fórmula usada nestes medicamentos, que podemos ter algum tipo de incompatibilidade, por isso os laboratórios colocam as reações e os efeitos que tal medicamento pode nos causar, para sabermos se podemos ou não consumir tal medicamento.
  E foi mais ou menos assim que o G12 foi apresentado, como a solução para os problemas da igreja, para muitos pastores, seria a fórmula do crescimento para a igreja, pois como dizem eles, o modelo tradicional de igreja está falido e condenado a desaparecer, muitos pastores fracassados viram no G12, o remédio para as igrejas desnutridas, doentes e sem esperança de crescimento, e mergulharam de cabeça no tal movimento, aderiram a visão, mais muitos destes, se perderam completamente, foram iludidos, e não conseguiram mais recuperar a saúde de suas igrejas e nem de seus ministérios, o maior problema é que ao contrário dos laboratórios farmacêuticos, o citado movimento, não traz uma bula informando os efeitos colaterais, seus idealizadores assim como seus propagadores, não nos alertaram sobre os efeitos colaterais que o movimento deixaria nas igrejas por onde passaram, e muitas igrejas sofrem as conseqüências até hoje. O problema é que alguns pastores infelizmente, se esquecem de que não precisamos de métodos ou fórmulas criadas pelo homem, para o crescimento da igreja, mais sim da palavra de DEUS, na bíblia é que encontramos o remédio para o crescimento de qualquer igreja, uma verdadeira igreja de CRISTO, precisa estar alicerçada na palavra de DEUS, e não em movimentos que vez por outra surgem com seus modismos, tentando infiltrar todo tipo de heresias na igreja de CRISTO. Seja ele G5,G8, G12,M12, MDA ou o seja lá o que for.
   Depois de anos de G12 e companhia, podemos perceber que são muitos os efeitos colaterais que o movimento deixou e tem deixado nas igrejas.
  Há em todo o País, igrejas e ministérios divididos, alguns totalmente destruídos, devido a ação do G12 e outros movimentos parecidos, conheço igrejas que se dividiram logo no inicio do movimento, e depois de anos, ainda não conseguiram se reerguer, conheço pastores que tiveram seu ministério tremendamente abalados, que após aderir ao movimento, dividiu a igreja, esvaziou a mesma, ficou em uma situação tão insustentável que precisou, sair da denominação, recomeçar tudo em uma outra denominação, agora desacreditado e sem muita esperança, mas estas igrejas, tiveram a oportunidade de se erguerem e voltarem ao evangelho puro e simples de JESUS CRISTO, considero em situação bem pior aquelas que não esvaziaram, mais que incharam, que continuam inchando, pois ao “crescerem” causa a impressão de que está tudo bem, mais estão caminhando para um caminho cada vez mais complicado, cheio de heresias, meninices, invencionices que levam as pessoas ao erro.
  Poucas igrejas nascem e se iniciam já sendo G12, M12 e etc., pois os idealizadores de tais movimentos, na maioria das vezes preferem se infiltrar nas igrejas já existentes, e apresentarem nestas, os seus “métodos”, “modelos” ou “visão”, como preferirem, e quando já estalados em alguma igreja, buscam os irmãos das igrejas mais próximas, convidando-os para células e encontros, mostrando estar muito mais preocupados em dividir igrejas do que evangelizar os perdidos, preferem “pescar no aquário” dos outros, do que lançar as redes no grande mar dos perdidos, em busca de almas sem CRISTO.

"Mas o Espírito expressamente diz que nos últimos tempos apostatarão alguns da fé, dando ouvidos a espíritos enganadores, e a doutrinas de demônios;
Pela hipocrisia de homens que falam mentiras, tendo cauterizada a sua própria consciência."


DEUS abençoe a todos!!



    

domingo, 23 de fevereiro de 2014

Ore pelos pastores que estão presos no Sudão do Sul

South Sudan pastors.jpg
Dois membros da Igreja Presbiteriana no Sudão do Sul, Reverendo Idris Joshua e o Pastor David Gayin, foram presos em suas casas pelas forças de segurança. Eles estão incomunicáveis, sem acesso a um advogado ou família, e correm risco de serem torturados ou sofrerem outros tipos de abusos
Os guardas arrombaram a porta, entraram na casa do Reverendo Joshua em Juba, capital do Sudão do Sul, às 10h da manhã, e de acordo com testemunhas, atiraram três vezes para o alto antes de prendê-lo e levá-lo em uma viatura. Eles também revistaram e confiscaram materiais pertencentes a ele e aos membros de sua família, incluindo telefones móveis, chaves da casa, laptops e documentos.

No mesmo dia, por volta das 22h, as forças de segurança fizeram o mesmo na casa do pastor Gayin e o prenderam. Nenhuma justificativa foi dada às famílias dos líderes cristãos, e o paradeiro deles permanece desconhecido.

Deter alguém por mais de 24 horas sem permissão da corte, como os dois cristãos foram presos, é ilegal no Sudão do Sul. O Artigo 19 da Constituição Transitória da República do Sudão do Sul estabelece que um suspeito deve ser liberado sob fiança após 24 horas, a menos que uma corte decida que ele permaneça na prisão, o que não aconteceu com esses irmãos.

Pedidos de oração
• Ore pela liberdade religiosa no Sudão do Sul e para que a Igreja cresça cada vez mais nesse país.
• Interceda pela vida dos pastores que estão presos no país, para que perseverem na fé e consigam recuperar a sua liberdade.

O texto acima foi retirado do site do Domingo da Igreja Perseguida (DIP) 2014, que tem como tema "Pastores e líderes africanos". Toda semana, novos pedidos de oração são publicados. Acompanhe!
FontePortas Abertas Internacional
TraduçãoMarcelo Peixoto

sábado, 22 de fevereiro de 2014

Jovem muçulmana evangelizada por amiga se converte após Jesus revelar-se a ela em sonho



Os testemunhos de que muçulmanos se converteram ao Evangelho através de sonhos se espalham mundo afora e se tornam cada vez mais recorrentes. O relato mais recente é o de uma jovem que foi evangelizada por sua amiga, que havia sido muçulmana e alcançou a Salvação também através de sonhos.

O relato, publicado por diversos portais cristãos mundo afora, conta a história de Taline e Brielle (nomes fictícios por questão de segurança). As duas jovens mantinham uma longa amizade, e Brielle sentia o desejo de compartilhar sua experiência com Deus através de sonhos, e explicar a Taline a essência da Bíblia Sagrada e o plano divino para a Salvação do mundo através de Jesus.

Numa oportunidade, durante um happy hour, Brielle e Taline conversavam sobre coisas cotidianas, quando Taline passou a fazer perguntas sobre o Deus descrito na Bíblia. Nessa ocasião, Brielle identificou a oportunidade ideal para contá-la sobre o que havia acontecido com ela.

“Eu estava pronta. Eu estava com medo (e estava orando): ‘Senhor, o que eu posso compartilhar com ela? Como posso responder suas perguntas sobre a Bíblia?”, contou Brielle.

Durante a conversa, Brielle passou a falar sobre sua fé à amiga: “Tínhamos que entrar na Palavra, e eu comecei a orar com ela e responder a perguntas que ela tinha”, revelou a jovem, que propôs a Taline que as duas se encontrassem com um amigo que havia se convertido ao Evangelho e tinha mais conhecimento bíblico.

As duas marcaram o encontro, mas Taline resolveu cancelar, por medo de que fosse uma má ideia. No entanto, durante a noite anterior ao encontro, Taline sonhou com Jesus, que disse a ela: “Se você quiser saber mais sobre mim, você vai ir a esta reunião de amanhã”.

Ansiosa, Taline foi ao encontro e ouviu do ex-muçulmano sobre a história de Adão e Eva, e sobre os profetas que existiram ao longo do Velho Testamento, e pôde compreender porque Jesus era o plano de Deus para a Salvação.

“Agora eu entendo como Jesus é Deus”, disse Taline, que se converteu ao cristianismo. Já Brielle, pediu oração pelos cristãos em países árabes e explicou que lá, a prática da fé cristã tem uma dinâmica diferente: “A plantação de igrejas [no Oriente Médio] não se trata de um edifício. Se trata de compartilhar Jesus com as pessoas, e essas pessoas sendo convertidas, dizendo a seus amigos, e se reunindo para leitura da Palavra”.

Por Tiago Chagas, para o Gospel+

Técnico cristão de futebol se demite após tentar aplicar fé em Jesus Cristo em seu treinamento


Diretor técnico revela que a saída do treinador foi por questões familiares

Com planos de implementar orientações sobre a fé e a vida no time de futebol americano da Universidade de Connecticut, o treinador cristão Ernest Jones não permaneceu no cargo por muito tempo e pediu demissão, alegando razões pessoais.

O treinador renunciou ao cargo apenas dois meses depois de sua contratação, depois de um período de muita reflexão e introspecção, conforme relatado pela comissão técnica da equipe universitária.

"Tudo foi um choque. Ele tomou o seu tempo e refletiu profundamente. Ele levou uma semana para conversar com sua família tomar uma decisão e finalmente renunciar ao cargo, para se concentrar em assuntos pessoais e enfim buscar oportunidades que se adequem à sua família", destacou o diretor técnico Bob Diaco.

Antes da demissão, Ernest Jones gerou muita polêmica ao declarar para um jornal local que seu papel seria de ajudar atletas em todos os aspectos da vida e não apenas na parte do desenvolvimento atlético.

Segundo ele, a formação do atleta necessita de uma base com firmamento na espiritualidade, e seu treinamento na Universidade de Connecticut já incluía um trabalho de "comunhão não confessional".

"Nós vamos fazer com que eles entendam que Jesus Cristo deve estar no centro da nossa aproximação, tendo ciência de que isso é importante. Desta forma, se você quiser ser bem sucedido e ganhar campeonatos, então está mais apto a entender que acontece não apenas por sua causa", resume Jones.

As declarações e a técnica cristã do treinador resultaram em uma série de protestos, para que ele respeitasse outras crenças e não misturasse esporte com religião. Contudo, a administração da universidade revela que a saída de Jones não teve relação com as objeções ao seu trabalho.




Fonte: The Christian Post

sexta-feira, 21 de fevereiro de 2014

EUA - Pastor que manipulava cobras morre após picada de cascavel


Coots recusou-se a receber tratamento médico por achar que melhoraria como das outras oito picadas anteriores: orando

Um pastor que manipulava cobras e apareceu no reality show da National Geographic chamado "Snake Salvation" (Salvação da Cobra, em tradução literal) morreu depois de ser picado por uma delas durante um serviço religioso no Kentucky no fim de semana.

Jamie Coots segurava uma cascavel na Igreja Nome de Jesus, em Middlesboro, quando foi picado na mão na noite de sábado, disse Cody Winn, outro pregador, à WBIR-TV. Depois da picada, Coots deixou as cobras caírem, mas voltou a segurá-las e continuou o serviço religioso. Depois de alguns minutos, Winn disse que Coots se dirigiu ao banheiro.

Quando uma ambulância chegou à igreja às 20h30 de sábado, seus funcionários foram informados de que Coots havia ido à sua casa, afirmou em nota o Departamento de Polícia de Middlesboro. Contatado em sua casa, Coots se recusou a receber tratamento médico.

Funcionários de emergência partiram cerca de 21h10. Quando voltaram uma hora depois, Coots tinha morrido da picada venenosa, acrescentou a polícia.

O filho do pastor, Cody Coots, disse à estação de TV que seu pai já havia sido picado oito vezes antes, mas nunca teve uma reação tão forte. O filho disse que ele pensou que essa vez seria igual.

"Iríamos para casa, ele se deitaria no sofá. Sentiria dor. Ele rezaria por um tempo e depois melhoraria. Isso é o que aconteceu todas as outras vezes, com exceção dessa vez, que foi tão rápida e louca", disse Cody Coots.

Em janeiro de 2013, Coots foi pego transportando três cascavéis e duas copperheads em Knoxville, Tennessee. Autoridades ambientais confiscaram as cobras, e Coots declarou-se culpado de posse ilegal de vida selvagem. Ele foi sentenciado a um ano de liberdade vigiada.

Em fevereiro de 2013, Coots disse que precisava das cobras por questões religiosas, citando uma passagem da Bíblia no livro de Marcos. Em uma nota, a National Geographic disse que se sentiu chocada com "as devotas convicções religiosas apesar dos perigos de saúde e legais que ele sempre enfrentou".

Em 1995, Melinda Brown, 28, de Parrottsville, Tennessee, morreu depois de ter sido picada por uma cascavel na igreja de Coots.


Fonte: Último Segundo
Via: http://libertosdoopressor.blogspot.com.br

quinta-feira, 20 de fevereiro de 2014

Ucrânia: orar ainda é preciso



Os protestos contra o governo da Ucrânia ganharam mais um episódio triste nesta terça-feira (18), quando 

25 pessoas morreram e mais de 200 foram hospitalizadas. O país é considerado estratégico para Missões Mundiais, pois tem 100 mil batistas, dois casais de missionários especiais e 27 obreiros da terra.

“A Ucrânia está se tornando um país missionário. Peça ao Senhor para que os ucranianos tenham um país que contribua com o crescimento da obra missionária”, diz o Pr. Anatoliy Shmilikhovskyy, missionário na cidade de Lviv, no oeste ucraniano.

O país está no alvo das orações de Missões Mundiais, e o Pr. Anatoliy pede oração por paz e estabilidade na Ucrânia, para que os políticos tomem decisões que levem bem-estar à nação. Ele também pede intercessão pela igreja, para que seja luz e sal para o povo, que perdeu a esperança na política, e também pela obra missionária, para que a Ucrânia não se feche para outras nações.

Entenda os protestos na Ucrânia
Os protestos em Kiev começaram no final de novembro de 2013, quando o presidente da Ucrânia, Viktor Yanukovich, se recusou a assinar um acordo de livre-comércio com a União Europeia, em um gesto de aproximação com a Rússia.

A assinatura do acordo com o bloco europeu é exigida pelos manifestantes, que desde novembro de 2013 entraram em confronto com forças policiais, orientadas pelo governo a reprimir com força, se necessário, os reivindicantes, concentrados na Praça da Independência, no centro de Kiev.

As manifestações de ontem aconteceram depois de a Rússia denunciar uma tentativa de golpe de Estado na Ucrânia. Colaborou para os confrontos de ontem uma fracassada negociação da oposição com o governo, que exige a saída incondicional dos manifestantes concentrados em Kiev.

A Ucrânia fez parte da antiga União Soviética e desde sua independência, em 1991, sofre interferência da Rússia em assuntos internos. Essa intromissão da Rússia foi criticada pela União Europeia e pelos Estados Unidos, que ameaçaram a Ucrânia com sanções, situação com potencial para isolar o país e, assim, se tornar um obstáculo para o trabalho missionário.

quarta-feira, 19 de fevereiro de 2014

Por que ir à igreja?


O mandamento bíblico é: “Não deixemos de congregar-nos, como é costume de alguns” [Hb 10.25]. O mandamento proíbe o crente de não frequentar a igreja ou de não se congregar com os seus irmãos. Integrar-se a uma igreja local é ordem divina. Por outro lado, integrar-se a uma igreja local é uma necessidade que precisa ser atendida. Mas, por que a igreja é necessária? Ela é necessária para organizar a vida dos crentes [1 Co 14.33]. Ela é necessária para o crescimento do cristão, por meio da comunhão, adoração e ensino. Ela é necessária para que o crente desenvolva os seus dons no serviço cristão [1 Co 12.14-27]. Ela é necessária para mantermos acesa a nossa chama espiritual. Uma brasa fora do braseiro tende a esfriar-se.

“A alma virtuosa que está só é como a brasa que está só. Em vez de esquentar, ela se tornará cada vez mais fria” [São João da Cruz].

Philip Yancey nos oferece quatro motivos para irmos à igreja:

Primeiro, vou à igreja por causa do Dono.
“A igreja existe, não para oferecer entretenimento, encorajar vulnerabilidade, melhorar a autoestima ou facilitar amizades, mas para adorar a Deus. Se falharmos nisso, a igreja fracassa” [P. Yancey]. Deus é a razão que temos para frequentar a igreja [Sl 84.1-4].

Segundo, vou à igreja por causa dos meus irmãos. 
Deus é quem escolheu as pessoas para fazer parte da igreja [1Co 1.26-27]. Ele escolheu pessoas diferentes e complicadas para viverem juntas. As igrejas locais do Novo Testamento produziram uma revolução social: judeus e gentios, homens e mulheres, escravos e livres, congregados por causa de Jesus. Isso é a igreja.

C. S. Lewis escreveu sobre sua igreja: “Eu me aborrecia muito com os hinos, que considerava poesias de quinta categoria e com música de sexta categoria. Mas com o passar do tempo, percebi o grande mérito disso… Reconheci que os hinos estavam sendo cantados com zelosa devoção por um velhinho santo de botinas, no banco ao lado, então você percebe que não é digno de limpar aquelas botinas. Isso nos tira de nosso orgulho solitário”.

Terceiro, vou à igreja por causa dos “perdidos”. 
A igreja existe para alcançar e acolher os de fora. William Temple disse: “A Igreja é a única sociedade cooperativa do mundo que existe em benefício dos que não são membros”. A razão principal para que uma congregação seja unida e trabalhe é alcançar o seu bairro, cidade e o mundo.

Quarto, vou à igreja por causa das suas necessidades. 
Você não pode ser crente isolado da comunhão da igreja. “Existem duas coisas que não podemos fazer sozinhos: uma é casar e a outra é ser cristão” [Paul Tournier]. A igreja foi criada por Deus para suprir as necessidades dos cristãos. E a maior necessidade de uma ovelha é ser pastoreada (Hb 13.7 e 17). Toda ovelha precisa de pastor, de aprisco e da companhia de outras ovelhas.

“A igreja não é chamada para ser eficiente, grande ou rica. Ela é chamada para ser fiel” [Walter McAlister]




Fonte: Fernando Henrique Heise em Ultimato

terça-feira, 18 de fevereiro de 2014

Diversas igrejas são atacadas e saqueadas no Sudão do Sul

Sudão do Sul.jpg
No último mês, mulheres que escapavam do ataque de rebeldes e se esconderam no complexo de uma igreja na cidade de Bor,  região central do Sudão do Sul, foram encontradas, agredidas, estupradas e baleadas
“As mulheres pertenciam a diferentes congregações e haviam se reunido em uma delas quando foram mortas”, disse ao World Watch Monitor, o bispo anglicano de Bor, Ruben Akurdit Ngong. “Isso é muito doloroso. Eles destruíram a maior parte de nossas igrejas, mas Deus é conosco”.

Cinco das vítimas – Dorcas Abuol Bouny e Akut Mayem Yar (ambas com 72 anos), Tabitha Akuang (60 anos), Mary Alek Akech e Martha Agok Mabior (ambas com 70 anos) – trabalhavam como pastoras na igreja. Uma proeminente líder, Agel Mabior (72 anos), também foi morta. “Elas eram da liderança. Todas trabalhavam na igreja. Tinham diferentes atribuições, inclusive a leitura bíblica”, disse o arcebispo anglicano sul-sudanês Daniel Deng Bul à imprensa local.

O Sudão do Sul tem estado em conflito desde 15 de dezembro, quando uma disputa dentro do exército deflagrou uma intensa batalha na capital Juba. A luta se alastrou rapidamente pelo país e logo tomou proporções étnicas, após o presidente Salva Kiir alegar quee que seu antigo vice-presidente, Riek Machar, estava planejando um golpe. A luta colocou as forças armadas, leais ao presidente Kiir, membro da tribo Dinka, contra as forças rebeldes aliadas a Machar, membro da tribo Nuer.

A tribo Dinka é a maior no Sudão do Sul; a Nuer é a segunda maior e impulsiona uma milícia tribal letal conhecida como White Army (Exército Branco) porque seus combatentes esfregam cinza branca em seus corpos, extraída do excremento de gado queimado. Historicamente, o papel principal do White Army na comunidade tem sido o de tocar gado e proteger a comunidade, mas, recentemente, eles se transformaram em uma milícia usada para obtenção de ganho político.

White Army é suspeito de ter promovido o massacre das mulheres e mais de dois mil e quinhentos outros em Bor, cidade majoritariamente Dinka.

“Acredito que o White Army atacou e matou as mulheres escondidas no complexo da igreja. É muito perturbadora a ideia de que elas foram abusadas antes de morrerem”, disse o Pr. Mark Akec-Cien, subsecretário geral do Conselho Sul-sudanês de Igrejas, por telefone. “A milícia também atacou, pilhou e destruiu lojas, empresas, casas e outras igrejas”.

Desde a erupção do conflito, muitas outras igrejas têm sido atacadas e pilhadas e pastores têm sido assediados, de acordo com Akec-Cien. Em Malakal, ao norte do país, o complexo da Igreja Católica St. Francis foi atacado e saqueado em meados de janeiro, e seu padre foi assaltado.

As áreas mais afetadas são os estados de Jonglei, Unity e Upper Nile. Bor, a capital do estado de Jonglei, foi totalmente destruída, com casas, supermercados, lojas, bancos e igrejas queimados e pilhados.

As Nações Unidas disseram em 5 de fevereiro que mais de sete milhões de pessoas, quase dois terços da população do país, estavam em risco de algum tipo de insegurança, com 3,7 milhões de pessoas em estado de emergência. Cerca de novecentas mil pessoas abandonaram seus lares desde dezembro.

Embora o conflito seja amplamente entendido em termos étnicos, líderes de igrejas clamaram por paz e reconciliação, e enfatizaram que as raízes da crise são políticas. Tanto o exército quanto as forças rebeldes foram acusadas de abusos.

segunda-feira, 17 de fevereiro de 2014

Encerramento de Quatro Igrejas na Indonésia afeta 500 crentes.

Indonésia
Um grupo de mais de 150 fundamentalistas muçulmanos forçaram o fechamento de quatro igrejas na província de Java Ocidental, na Indonésia em 8 de dezembro, resultando em mais de 500 crentes incapazes de adoração em seus respectivos prédios de igrejas. Os quatro igrejas são a Indonésia Igreja do Evangelho Pleno(GISI), Igreja Pentecostal Movement (GGP), Indonésia Bethel Church (GBI) eChristian New Covenant Church (GKPB). Por mais de dois meses, mais de 500 fiéis na Indonésia têm sido incapazes de adoração em seus respectivos prédios de igrejas.
Felizmente, todas as quatro congregações foram autorizados a usar os corredores de três igrejas não afetadas na região. "Eles ainda estão em bom espírito, mas a incerteza persiste. O uso de outros edifícios da Igreja é apenas uma solução temporária, pois eles não tem certeza de quanto tempo pode durar ", disse o Pastor Oferlin Hia de GKPB.
Antes do encerramento, os quatro igrejas, juntamente com uma outra igreja que conseguiu manter-se aberto, havia sido ameaçado por pelo menos 70 fundamentalistas que protestaram nas instalações da igreja durante os cultos domingo dia 17 de novembro e 01 de dezembro. Além de ameaças verbais, a violência física também ocorreu como um crente foi agredido enquanto tirando fotos dos protestos. Os oficiais de polícia estavam presentes, mas pouco fez para reduzir as tensões. Policiais civis, encarregados de fazer cumprir as leis locais, mesmo assistido os manifestantes na vedação dos edifícios da igreja.
Os mobs exigiu que as igrejas obter uma autorização para realizar reuniões cristãs.As igrejas estavam operando em casa-escritórios, edifícios de lojas do tipo, cuja função original não era para as atividades religiosas. "Nós tínhamos vindo a aplicar para uma licença, mas funcionários do governo local não respondeu, embora todas as exigências foram cumpridas", explicou o pastor Hia. De acordo com as leis, a igreja deve ter pelo menos 90 membros da congregação, e ganhar o consentimento de pelo menos 60 vizinhos para garantir uma licença de construção.
Pastor Hia, que também preside a Cooperação Corpo Inter-Church (BKSAG) de Cianjur, tentou reabrir as igrejas através dos canais oficiais. Ele apresentou um relatório ao Fórum Inter-Religioso Harmony (FKUB) e um apelo para a cabeça regência, pedindo que estes ofereçam um local alternativo para as igrejas. No entanto, o chefe da regência ainda tem de responder. Até ser encontrada uma solução, os 500 crentes têm de adorar sob a percepção de que igreja é mais do que um edifício. "As dificuldades podem vir, mas eles só servem como oportunidades para trabalhar ainda mais para o seu reino e para glorificá-lo", acrescentou o pastor Hia na contemplação.
Pai, nós te louvamos pelo privilégio de vir diante de Ti em adoração, se nos reunimos em uma catedral ou debaixo de uma árvore. Obrigado por esses crentes na Indonésia que estão profundamente comprometidos com a adorando e servindo-lo, independentemente de suas circunstâncias. Oramos por favor entre funcionários do governo para responder de forma rápida, em nome dessas igrejas, e por tenacidade e sabedoria como Pastor Hia leva a luta para reabrir as igrejas.Oramos por proteção sobre estas congregações e da unidade entre todas as igrejas que os outros vão chegar, com a ajuda às congregações conturbados. Elevar os líderes e os membros destas quatro congregações que eles possam permanecer firmes na fé e não vos assusteis pelos julgamentos diante deles. Oramos por sua sabedoria e discernimento como Portas Abertas avalia a situação para desenvolver a assistência mais adequada. Em nome de Jesus, que defende e sustenta a sua 
Fonte:
Portas Abertas EUA - Servindo Christains perseguidos em todo o mundo

Bispos anglicanos não abençoarão casamentos gays


LONDRES, 15 Fev 2014 (AFP) - 
Os bispos da Igreja Anglicana da Inglaterra excluíram este sábado em um comunicado a bênção de casamentos gays e rejeitaram a possibilidade de que membros do clero se casem com uma pessoa do mesmo sexo.

"As cerimônias de bênção" para casais homossexuais "não devem ser organizadas" na Igreja da Inglaterra, escreveu a conferência episcopal após uma reunião na quinta-feira.

Além disso, "não seria apropriado que uma pessoa ordenada se case com alguém do mesmo sexo, pois é necessário que o clero dê o exemplo sobre os ensinamentos da Igreja".

Essas afirmações contradizem, em parte, as recomendações formuladas em novembro em um relatório encarregado pelos bispos.

Esse documento, redigido pela equipe encarregada da política da Igreja da Inglaterra em matéria de sexualidade, considerava que "podia haver circunstâncias nas quais um sacerdote (...) deveria ter a liberdade de oficializar uma união do mesmo sexo, sem que tenha a obrigação de fazê-lo".

Os deputados britânicos aprovaram, em julho, o casamento homossexual, após um debate acalorado no país. A lei permite os casamentos civis e os primeiros casamentos estão previstos na Inglaterra e no País de Gales a partir de 29 de março.

Na Igreja Anglicana, majoritária no país, o casamento homossexual é ilegal. O arcebispo de Canterbury, Justin Welby, chefe espiritual dos 80 milhões de anglicanos de todo o mundo, manifestou em diversas ocasiões sua oposição ao casamento entre pessoas do mesmo sexo.
Via: UOL

LANÇAMENTO DO MEU LIVRO, EM BREVE

Postagens Recentes