terça-feira, 28 de fevereiro de 2017

Carnaval Gospel: Pregação do Evangelho ou Entretenimento/Apostasia?




Como todo mundo sabe, todos os anos durante o período do Carnaval, muitas igrejas realizam projetos de evangelização entre os foliões, incluindo até blocos chamados evangélicos com direitos a trio elétrico nas ruas de determinadas cidades. O fato tem gerado muitos debates, com posicionamentos contra e a favor destes eventos que se dizem evangelísticos.

Ano passado, neste mesmo período, alertamos aqui o perigoso sincretismo religiosa de uma determinada igreja que estava organizando um carnaval gospel com o nome "espírito val".

E na época alertamos que "tanto o Espiritoval, a rave,o trio elétrico, e as duas “Minkaretas” (que não tenho ideia do que se trata!),são todas festas totalmente mundanas". Onde surgiram reações de todo o tipo.

Um outro autor também escreveu sobre o assunto, talvez com maior abrangência do que nós aqui.
Vejam o que diz o pastor Ciro Zibordi sobre o carnaval gospel:

"Muitos cristãos (cristãos?) do nosso tempo têm usado o adjetivo “gospel” para “santificar” atitudes, posturas, comportamentos, condutas e eventos que outrora estavam relacionados a pessoas que não conhecem o Evangelho. Parte-se da premissa de que o crente tem liberdade para fazer o que quiser e se divertir do jeito que bem entender — mesmo que imite o mundo —, e ninguém tem nada a ver com isso."

Os líderes e membros das igrejas “gospelizadas” se conformaram com o mundo. Seus cantores se inspiram em astros mundanos, como declarou, há algum tempo, o integrante de uma famosa banda gospel: “A gente ouve Bob Marley, mas só para se informar”. A tônica das mensagens “evangelísticas” pregadas nessas igrejas é: “Venha como está e fique como quiser”.

“Os que quiserem podem até pular carnaval, pois já existem blocos de ‘samba evangélico’. Para os apreciadores de bebidas fortes já existe a ‘cerveja gospel’, sem álcool, é claro. E não ficaremos surpresos se lançarem o ‘cigarro gospel’, sem nicotina”. Naquela época, esse texto soou como profético para os conservadores, e ácido demais para os liberais, em razão de o processo de “gospelização” ainda estar em seu início.

Não tenho conhecimento de que o “cigarro gospel” tenha sido inventado. Em compensação, hoje temos o “carnaval gospel” , o “arraiá gospel” , o “dia das bruxas gospel” , as “lutas de gladiadores gospel” , o “barzinho gospel” , a “balada gospel” , o “funk pancadão gospel” ... Como diz um “meme” do Facebook (imagem acima), “Só está faltando o inferno gospel”.

Alguém nessa hora diria: "Mas que importa? Contanto que Cristo seja anunciado de toda a maneira, ou com fingimento ou em verdade, nisto me regozijo, e me regozijarei ainda. Filipenses 1:18.

Respondo: " se todos e quaisquer meios de evangelização pudessem ser empregados, sem nenhum limite, teríamos uma grande contradição! Até show erótico ou desfile no carnaval poderiam ser usados para, pretensamente, ganhar almas, desde que Cristo fosse anunciado, não é mesmo?".

Para terminar deixo para a reflexão, a mesma que deixei o ano passado: " Maravilho-me de que tão depressa passásseis daquele que vos chamou à graça de Cristo para outro evangelho; Gálatas 1:6 . Estão esquecendo-se da simplicidade que há no Evangelho de Jesus e estão enveredando em coisa totalmente terrenas. Porque não organizar um retiro com esse povo invés dessa pouca vergonha? Cuidado com números!

Certa vez Paul Washer disse: O pastores carnais que usam meios carnais para trazer homens carnais pra suas igrejas, continuarão a usar meios carnais para manter estes homens carnais em sua igreja carnal .
Que Deus nos guarde desse falso evangelho pregado pelo mundo gospel.
"PREGAI O EVANGELHO", ainda continua sendo o mandato de Jesus. Não é o evangelhos dos homens, nem dos evangélicos, nem líderes mais influentes, mas o EVANGELHO DE JESUS

E aí querido leitor, a que conclusão chegou:" Carnaval Gospel: Pregação do Evangelho ou Entretenimento/Apostasia?

Em Cristo,
Xavier Campos Joaquim

Nenhum comentário:

Postar um comentário

LANÇAMENTO DO MEU LIVRO, EM BREVE

Postagens Recentes