quarta-feira, 8 de maio de 2019

A Graça da Tribulação (devocional)

Spurgeon foto (100)

























"E não somente isto, mas também nos gloriamos nas tribulações; sabendo que a tribulação produz a paciência,"
                                                                Romanos 5:3
Essa é uma promessa em sua essência, mesmo que não seja na sua forma. Temos necessidade de paciência, e aqui vemos como obtê-la. Somente pela prática que aprendemos a ter paciência, da mesma forma que somente nadando que os homens aprendem a nadar. Eles não poderiam aprender essa arte na terra firme, nem nós poderíamos aprender paciência sem tribulação. Por acaso não vale a pena sofrer tribulação com o objetivo de alcançar esse formoso equilíbrio de mente que quietamente se submete em tudo à vontade de Deus?

No entanto, nosso texto expressa um fato singular, que não é conforme a natureza, antes, é sobrenatural. A tribulação em si mesma gera petulância, incredulidade e rebelião. Somente pela sagrada química da graça que ela é levada a trabalhar paciência em nós. Não debulhamos o grão para tirar o pó somente, no entanto, o flagelo da tribulação faz isso sobre a eira de Deus. Não sacudimos um homem para dar-lhe descanso, no entanto, o Senhor trata assim Seus filhos. Certamente isso não corresponde ao modo humano de fazer as coisas, o que redunda em glória para nosso infinitamente sábio Deus.

Oh, que a graça me conceda que minhas tribulações me abençoem! Por que motivo eu desejaria deter sua agraciada influência? Senhor, eu te peço que tires minha aflição, mas te suplico dez vezes mais que tires a minha impaciência. Precioso Senhor Jesus, com Tua cruz grava a imagem de Tua paciência em meu coração.


C.H.Spurgeon
Publicado em Banco da Fé | Comentar

FONTE:

Ciclone Fani força cristãos refugiados a voltar para suas terras

Cristãos indianos refugiados são afetados pelo ciclone Fani, e cogitam voltar à sua terra natal onde há grande oposição religiosa

Ficar em Bhubaneshwar e atravessar momentos de privações ou voltar para Kandhamal onde já vivenciaram perseguição?

De acordo com a imprensa internacional, mais de 40 pessoas no estado de Odisha, na Índia, morreram em decorrência da passagem do ciclone Fani, no último dia 04. A maior parte da devastação foi vista nas cidades de Puri e Bhubaneshwar. Milhares de árvores foram arrancadas e centenas de casas foram destruídas. Casas nas comunidades mais pobres da Índia foram completamente demolidas pelos ventos.

Nesse ambiente estão muitos cristãos. “Há alguns anos, milhares de cristãos migraram para a cidade de Bhubaneshwar após uma crescente onda de violência em Kandhamal, também no estado de Odisha. Eles se instalaram nas áreas de comunidades pobres sobrevivendo de trabalhos diários mínimos”, informa um parceiro da Portas Abertas local.

“Galpões temporários, onde estavam residindo até então, foram desenraizados pelo ciclone. Também não há água e eletricidade em Bhubaneshwar agora, e os cristãos estão sendo forçados a voltar para suas aldeias. Esses cristãos não conseguem ter uma fonte adequada de renda em suas aldeias e enfrentam oposição do povo local por sua fé. Este é um momento de grande desafio para eles. Eles precisam de orações”, afirma o parceiro.

Cerca de sete igrejas foram destruídas pelo ciclone. Milhares de casas estão danificadas. Puri está em pior estado em comparação com Bhubaneshwar, e há mais pessoas feridas e mortas. “Os hospitais em Puri e Bhubaneshwar estão em condições precárias e, na ausência de eletricidade, estão trabalhando com geradores. A situação é tão extrema que legumes chegam a custar 10 vezes mais que antes. É muito difícil para um homem pobre sobreviver”, relata o parceiro da Portas Abertas.

Ele continua: "A distribuição de ajuda do governo está acontecendo, mas não é suficiente. Árvores caídas nas ruas não foram retiradas. Temos que esperar mais de uma hora em uma fila para pegar um balde de água potável. Muitos de nós não podem se dar ao luxo de voltar às aldeias, uma vez que o preço do transporte subiu 10 vezes”.

Pedidos de oração
Peça a Deus que fortaleça os cristãos que se encontram indecisos diante da escolha de voltar para suas terras ou reconstruir a cidade em que vivem.
Clame a Deus por todo o povo da Índia e Bangladesh atingidos pelo Ciclone Fani.
Interceda pelo governo da Índia e por todos os voluntários de apoio humanitário que estão no local auxiliando os afetados pelo ciclone.
FONTE:
Portas Abertas - Logo
www.portasabertas.org.br

segunda-feira, 11 de março de 2019

Os erros cometidos




Então, eu lhes disse: quem tem ouro, tire-o. Deram-mo; e eu o lancei no fogo, e saiu este bezerro. v.24

Ao discutir sobre a atividade ilegal que envolvia a sua empresa, um CEO disse: “Os erros foram cometidos”. Ele parecia arrependido, no entanto, não assumia a culpa e não admitia que tivesse, pessoalmente, feito nada de errado.

Alguns “erros” são apenas erros: dirigir na direção contrária, esquecer-se de definir a hora no temporizador e queimar o jantar, calcular o seu saldo na conta bancária. Mas há os atos deliberados que vão muito além e que Deus os chama de pecado. Quando Deus questionou Adão e Eva sobre o porquê de eles o terem desobedecido, o casal rapidamente tentou transferir a culpa entre si (Gênesis 3:8-13). Arão não se responsabilizou quando o povo construiu um bezerro de ouro para adorar no deserto. Ele explicou a Moisés: “Deram-mo; e eu o lancei no fogo, e saiu este bezerro“ (v.24).

Ele poderia muito bem ter murmurado: “Os erros foram cometidos.”

Às vezes, nos parece mais fácil culpar alguém, em vez de admitir nossas próprias falhas. Igualmente perigoso é tentar minimizar o nosso pecado, chamando-o de “apenas um erro” em vez de reconhecer a sua verdadeira natureza.

Mas quando assumimos a responsabilidade, reconhecendo e confessando o nosso pecado, Aquele que “…é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda injustiça“ o fará (1 JOÃO 1:9). — Cindy Hess Kasper


Admitir que precisamos do perdão de Deus 
é o primeiro passo para recebê-lo.

FONTE:
https://paodiario.org

Segundo pastor sequestrado por forças budistas militantes em Mianmar




Os contatos do Fundo Barnabé informam que o pastor Thar Tun foi seqüestrado em sua casa no estado de Rakhine, Myanmar (Birmânia) no dia 13 de fevereiro por militantes budistas que se acredita serem membros do Exército Arakan (AA).

Pastor Tun, 56, que tem cinco filhos, é o segundo pastor a ser sequestrado em Mianmar em menos de um mês. Acredita-se que o trabalho do pastor ajudando refugiados em sua cidade natal de Buthidaung fez dele um alvo.

Em 19 de janeiro, o Pastor Tun Nu, de 41 anos, foi sequestrado sob a mira de uma arma no Estado de Rakhine por militantes que também se acredita serem membros do AA. Ele foi morto em 1 de fevereiro junto com vários outros mantidos em cativeiro, mas seu corpo não foi encontrado.Pastor Tun Nu, pai casado de três filhos pequenos, foi morto em 1 de fevereiro. O pastor Thar Tun, o segundo pastor seqüestrado em menos de um mês, continua cativo

Na época do sequestro do pastor Tun Nu, testemunhas descreveram o AA como “verdadeiramente brutal” e avisaram que mais sequestros de cristãos eram prováveis ​​porque seu trabalho missionário os tornava um alvo.

Oremos pelo pastor Thar Tun e por sua familia!

Fonte:
Casa
https://barnabasfund.org

Sertão do Brasil: a música que encanta e aponta o Criador



Seis pequenos sertanejos chamam a atenção por onde passam em Acauã. Arnaldo, Avelar, Arthur, Isaque, Douglas e João, moradores da pequena cidade do interior do Piauí, receberam há alguns dias violões para o início das aulas de música e, desde então, carregam os instrumentos o tempo todo, seja dia de classe ou não. A iniciativa faz parte do projeto Timóteo, realizado em parceria com a organização Íris Piauí.

Duas vezes por semana, divididos em duplas, eles têm aula prática de violão com um de nossos missionários, às quartas-feiras e sextas à tarde. Na segunda, também à tarde, é tempo da turminha se reunir para o discipulado de adoração, que é parte fundamental de todo o processo. Os alunos, que têm entre nove e 10 anos foram escolhidos a dedo, de acordo com o interesse demonstrado pela música, mas para serem mantidos na turma precisam se comportar bem e respeitar os pais.

Mesmo sem ainda saber tocar, os meninos não hesitam em dedilhar os instrumentos, frutos de doações que vieram de diferentes lugares, empolgados com a novidade tão aguardada. Mais do que ensinar a tocar um instrumento, nosso objetivo é que essas crianças adorem a Deus por meio de toda a sua vida que, mesmo jovem, já é preciosa demais. Para seguir conosco neste e em outros sonhos que temos para o sertão, torne-se um parceiro da MAIS.

Fonte:
MAIS

https://maisnomundo.org

LANÇAMENTO DO MEU LIVRO, EM BREVE

Postagens Recentes