sexta-feira, 9 de março de 2018

EGITO INAUGURA MAIOR IGREJA DO ORIENTE MÉDIO

 

Egito inaugura maior igreja do Oriente Médio  Um momento de encorajamento para a Igreja Perseguida no Egito (Foto representativa por razões de segurança)
Inauguração de catedral com capacidade para mais de 8 mil pessoas contou com presença do presidente al-Sisi
No Egito, inauguração de catedral copta em janeiro contou com a presença do presidente Abdel Fattha al-Sisi. Com capacidade para 8.200 pessoas, diz-se que é a maior igreja do Oriente Médio. Está localizada a 45 quilômetros da capital, Cairo. De acordo com o USA Today, um jornal diário nacional dos Estados Unidos, meios de comunicação social estatais do Egito informaram que fundos do governo no valor de 12 milhões de dólares (cerca de 39 milhões de reais) foram investidos na construção da catedral.
Em seu discurso durante a inauguração, o presidente egípcio disse: “O mal, destruição e morte nunca derrotarão a bondade, paz e amor. Nós somos um, e vocês são nossa família. Ninguém pode nos dividir”. É a quarta vez que o presidente participa de atividades em igrejas. “Tais atos são simbolicamente importantes e um encorajamento para os cristãos egípcios, que se sentem intimidados tanto pelos ataques do Estado Islâmico quanto pela hostilidade islâmica experimentada no dia a dia. Mas apesar desses gestos por parte do governo, os cristãos continuam a enfrentar discriminação e ataques”, disse o analista de perseguição da Portas Abertas.
No mesmo dia em que a catedral foi inaugurada, ao menos seis cristãos foram mortos. No dia seguinte, um atirador passou disparando tiros de um carro, atingindo fiéis que saíam da igreja em Naj Hammadi, no sul do Egito, informou a BBC. Ore pela Igreja Perseguida do Egito, país que ocupa a 17ª posição na Lista Mundial da Perseguição 2018.

FONTE:
Portas Abertas

quinta-feira, 8 de março de 2018

Missões: a tarefa que é de todos

Resultado de imagem para missões

Jesus, aproximando-se, falhou-lhes, dizendo: Toda a autoridade me foi dada no céu e na terra. Ide, portanto, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai e do Filho, e do Espírito Santo; ensinando-os a guardar todas as coisas que vos tenho ordenado. E eis que estou convosco todos os dias até a consumação do século.  Mateus 28:18-20
Você já fez as contas de quantas vezes leu ou presenciou ministrações onde essa referência bíblica foi exposta? Não sei você, mas eu já li e também ouvi muitas pregações a respeito da Grande Comissão.
Talvez você se questione o porquê do seu coração não queimar por missões e até acredite que não tenha um chamado. Se você se sente assim, saiba que não é a única pessoa do mundo a se questionar.
Meu coração não queimava por missões e tão pouco entendia que a tarefa não era de alguns e, sim, de todos. Hoje, vivendo em missões e entendendo a essência desse mandamento de Deus para as nossas vidas, paro e percebo que nunca fez tanto sentindo ler Mateus 28. Sob um novo olhar. Sob uma nova percepção.
Cremos que a tarefa missionária é dada a cada um de nós, sendo necessário o envolvimento e comprometimento com aquele que nos confiou essa tão nobre missão.  No que diz respeito à igreja brasileira, acreditamos que ainda há de acontecer um grande despertamento de mente e coração.
Com uma perspectiva bíblica e didática, o livro “Missões ao Seu Alcance” traz à tona a verdade de que, a tarefa missionária não envolve apenas aqueles que são chamados para o campo ou para um ministério em tempo integral. É uma responsabilidade de toda a igreja. Cada membro do corpo de Cristo precisa estar envolvido na expansão do Reino.
Clamamos para que haja entendimento por parte de lideres e pastores a cerca de que Deus nos convida para fazer parte da história que Ele está escrevendo no meio do seu povo.
Ore conosco por esse despertar e, caso se interesse pelo livro de estudos “Missões ao Seu Alcance”, acesse nossa loja clicando aqui.
Foto* Ben White 

Fonte:
MAIS
maisnomundo.org/noticias/

sábado, 3 de março de 2018

CRISTÃO EX-MUÇULMANO ESTÁ PRESO DESDE DEZEMBRO NO IRÃ!

   

Cristão ex-muçulmano está preso desde dezembro  Ore por Ali Amini e sua família (Foto representativa por razões de segurança)
Prender líderes cristãos se tornou corriqueiro no país onde cristãos são maltratados na prisão
Um cristão ex-muçulmano do Irã detido há mais de dois meses permanece na prisão na cidade de Tabriz, de acordo com o grupo de direitos humanos Artigo 18. Ali Amini, conhecido por seus amigos como Philip, foi preso por guardas revolucionários em sua oficina em 10 de dezembro. Seu telefone celular e notebook também foram confiscados. Seu pai idoso estava presente no local e assistiu o filho sendo levado. Amini é casado e tem dois filhos pequenos, com idades entre um e três anos.
Todos os anos, a pressão sobre os cristãos aumenta antes do Natal”, informou o Artigo 18. O grupo acrescenta que outros quatro cristãos foram presos durante o período do Natal de 2017 em Karaj, uma cidade a oeste da capital, Teerã. Funcionários da ONU recentemente expressaram preocupação com outros três cristãos condenados a penas de 10 a 15 anos de prisão no ano passado. Seus apelos foram realizados em 4 de fevereiro, mas foram adiados.

ÓRGÃOS INTERNACIONAIS EXPRESSAM PREOCUPAÇÃO COM PRISÕES NO IRÃ

“Estamos profundamente preocupados com as longas penas de prisão impostas em uma audiência anterior sobre os pastores Victor Bet Tamraz, Amin Afshar Naderi e Hadi Asgari por supostamente ‘fazer evangelismo’ e ‘atividades ilegais da igreja doméstica’ e acusações similares que, de acordo com as autoridades, equivalem a agir contra a segurança nacional”, afirmam representantes do Artigo 18. Eles também demonstraram preocupação com a falta de cuidados de saúde disponibilizados para os líderes cristãos detidos. O atual estado de saúde de Asgari é particularmente preocupante, acrescentaram.
Mencionando o caso da cristã Maryam Naghash Zargaran, a Anistia Internacional também falou sobre o maltrato a cristãos iranianos na prisão e acusou o Irã de negação "cruel" de cuidados médicos em suas prisões. Em uma declaração recente, os especialistas da ONU disseram: “Estamos cientes de vários outros casos relatados em que membros da minoria cristã receberam sentenças pesadas depois de terem sido acusados de ‘ameaçar a segurança nacional’, seja por converter pessoas ou por participar de igrejas domésticas. As autoridades devem garantir julgamentos justos para todos, incluindo as minorias religiosas no país. Também pedimos ao governo para libertar imediata e incondicionalmente todos aqueles que foram presos e detidos por exercer seu direito à liberdade de religião ou crença”.

FONTE:
Portas Abertas
www.portasabertas.org.br

quarta-feira, 28 de fevereiro de 2018

CUIDANDO DOS FILHOS DE CRISTÃOS PERSEGUIDOS

Cuidando dos filhos de cristãos perseguidos

 O projeto da Portas Abertas na Colômbia tem abençoado muitas crianças e famílias (Foto representativa por razões de segurança)
Programas ajudam a disciplinar, educar e proteger as crianças que um dia serão líderes da Igreja Perseguida na Colômbia
Em 2018, novas atividades serão desenvolvidas nos abrigos da Portas Abertas na Colômbia, projetados para cuidar dos filhos de cristãos perseguidos. Esses programas têm a função de disciplinar, educar e proteger as crianças que um dia serão líderes da Igreja Perseguida no país que ocupa a 49ª posição na Lista Mundial da Perseguição 2018.
No leste da Colômbia fica um abrigo construído pela Portas Abertas, cujo programa já dura 18 anos. O abrigo é destinado a cuidar de crianças vítimas da perseguição religiosa e recrutamento forçado por facções criminosas. Essas crianças foram forçadas a deixar as famílias para proteger a integridade e a fé. “Nesse lugar nós fornecemos a elas uma casa segura, um lugar amigável onde elas possam desenvolver a fé, vocação e talentos”, compartilha o diretor do abrigo.
Um segundo abrigo da Portas Abertas foi aberto em janeiro de 2016. Começou com seis crianças cristãs indígenas que pertencem ao grupo étnico Arhuaco – povo registrado pela Portas Abertas como mais perseguido da Colômbia. Os cristãos desse grupo étnico são punidos e penalizados ao se converterem a Cristo. Antes de ser abrigadas por esse projeto, as crianças estavam sob a supervisão das autoridades tradicionais indígenas, que desejavam educá-las no animismo xamânico.
Há muitos desafios envolvidos na proteção dessas crianças vulneráveis, incluindo separação das famílias, novas dinâmicas de grupo e novas regras. Esses desafios afetam especialmente aqueles de origem indígena. A compreensão dos componentes culturais é essencial para estabelecer uma dinâmica comunitária saudável. Os pais também são impactados porque o envio de seus filhos para o abrigo significa uma diminuição da mão de obra na colheita de culturas. Isso é verdade para a família Samatinga*. Eles têm dois filhos vivendo no abrigo, o que afetou seu processo de plantio. (Essa notícia continua).
*Nome alterado por segurança.
FONTE:
Portas Abertas
www.portasabertas.org.br

terça-feira, 27 de fevereiro de 2018

TESTEMUNHO DE CRISTÃO PERSEGUIDO QUE PASSOU PELA PRISÃO

Testemunho de cristão perseguido que passou pela prisão

 Mojtaba Hosseini, servo fiel do Senhor Jesus
“Posso servir a Deus em qualquer lugar, dentro ou fora da prisão”, foi lição que líder cristão aprendeu na cadeia

Mojtaba Hosseini, 30, era um dos líderes de um movimento de igrejas domésticas que crescia muito no Irã. Depois de ficar sob um regime parecido com prisão domiciliar em 2009, ele foi preso em 2012. Após três anos na prisão, foi libertado em 2015. Em uma visita a ele em um lugar seguro fora do Irã, o cristão perseguido nos contou porque não parou seu trabalho na igreja mesmo já tendo sido preso uma vez. “Na verdade, não há explicação lógica, mas sentíamos que Deus não queria que parássemos, mesmo sabendo que poderíamos ser presos novamente a qualquer momento”, relata.
Quanto aos dias na cadeia, ele diz que sabia que Deus estava com ele, mas isso não tornava o dia a dia na prisão confortável. Ele dormia e comia com assassinos, ladrões e traficantes. Ele confessa que sentia medo e tristeza, apesar de saber que o Senhor estava com ele. Depois de se dedicar intensamente à oração, Mojtaba sentiu o Senhor lhe falar que ele não estava lá por si mesmo, ou porque havia cometido algum pecado; mas por Deus, porque era seu propósito. Então ele começou a olhar para os outros prisioneiros com os olhos de Deus e compreendeu que o Senhor queria que ele lhes falasse do seu amor. Entendendo que Deus o havia colocado na prisão para resplandecer sua luz, Mojtaba começou a compartilhar o evangelho com os companheiros de prisão. Alguns aceitaram Jesus, outros aceitavam suas orações.

LÍDER MUÇULMANO AJUDOU A DISTRIBUIR BÍBLIAS NA PRISÃO

Porém, faltava uma coisa: eles não tinham acesso à Bíblia. Mas Deus operou um milagre. O imã (líder muçulmano) que ia orar com os presos islâmicos perguntou se eles precisavam de alguma coisa e concordou em dar um jeito de trazer uma Bíblia para eles. Então, ele trouxe trechos da Bíblia impressos em inglês, como se fosse material de aula de inglês. Um dos prisioneiros traduziu para o idioma persa. Mojtaba copiou os trechos e distribuiu aos companheiros de prisão. Os trechos bíblicos começaram a circular mais e mais e vários prisioneiros entregaram a vida ao Jesus da Bíblia.
Agora livre, o cristão recentemente participou de uma conferência de aconselhamento pós-traumarealizada por uma organização parceira da Portas Abertas. Ele reflete sobre o tempo em que passou lá, e diz: “Eu nunca orei para ser solto. Posso servir a Deus em qualquer lugar, dentro ou fora da prisão. Posso trabalhar para o Reino de Deus onde quer que Deus me coloque. E naquele tempo ele me colocou entre os prisioneiros”. Mojtaba pede que oremos por seu país e por todos os cristãos perseguidos que estão presos por sua fé em Jesus.
FONTE:
Portas Abertas
www.portasabertas.org.br

LANÇAMENTO DO MEU LIVRO, EM BREVE

Postagens Recentes